Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

31
Jan10

Au bonheur des Dames 219

d'oliveira

 Intolevel!

Os direitos dos trabalhadores da TAP, ia dizer dos esforçados trabalhadores da TAP, estão a ser alvo de uma violentíssima repressão que urge denunciar.

Os factos tal qual foram relatados num jornal serão aproximadamente os seguintes: um senhor comandante tomou um avião da TAP (como passageiro) mas ninguém o convidou para ir para a primeira classe, coisa que, ao que parece, ocorre sempre que nesta há lugares e na mais popular há comandantes.

Inconformado com o desprestígio que tal medida discriminatória lhe acarretou, o senhor comandante terá deixado no Facebook algumas observações altamente civilizadas, presume-se, sobre os maus hábitos recentemente adquiridos pela companhia.

Oito ou nove colegas do senhor comandante entenderam dar uma achega às palavras deste e deixaram no mesmo local os seus corteses comentários sobre a prepotência da companhia.

A empresa entretanto, num mesquinho sinal de vingança convocou estes senhores para um curso de formação! Sobre ética!

Convenhamos que se começa a chegar a extremos na guerra social que se trava em Portugal. Um curso de ética para pessoal navegante! Como se este precisasse de lições sobre o tema. E ainda por cima quando, um colega, fora relegado para a classe turística a que o seu bilhete correspondia em vez de executiva, mesmo se como passageiro, ou sobretudo como passageiro, ele tinha o direito de não aturar a gentinha que se apinha nos aviões que por vezes ele pilota!

Gente, notoriamente a soldo da administração da TAP, rosna pelos cantos que o pessoal de voo (mas não só!) paga uma ninharia pelos bilhetes que o resto da população paga a preço de oiro. Mentiras, claro. E que não fossem. Então o pessoal de voo que se arrisca (ao contrario dos passageiros?...), que faz tudo para manter a nave no ar, que tem de dormir em hotéis luxuosos nas escalas, que ganha um salário modesto ou, pelo menos, modesto se o compararmos com o presidente da Microsoft, é ainda obrigado a viajar em turística e a frequentar cursos de ética?

A mesma gentuça de cima, murmura cavilosamente pelos cantos do costume que o curso de formação é para todos (e que seja!) e que em todas as empresas incluindo a TAP sempre houve acções de formação de resto previstas no contrato colectivo.

O pessoal de voo é que não parece disposto a engolir mais esta afronta. A greve está no ar, diz-se. E os aviões, no caso dela ir para a frente, em terra, claro. Para o efeito já houve uma assembleia que, ao saber das ofensas continuadas da administração, já lavrou enérgico protesto. Seguir-se-á para muito breve outra assembleia extraordinária onde se espera que os pilotos lavem, com serenidade e mãos caídas, a afronta. Por outras palavras, nunca uma greve parece ser tão justa e adequada aos tempos que correm, como esta. A TAP tem de aprender a respeitar os comandantes, os sub-comandantes, os vice-sub e todos os restantes sub-sub-sub qualquer coisa. Até que aprenda!

Aos passageiros apeados e aos cidadãos em geral recomenda-se paciência, compreensão pelas justas reivindicações do proletariado aéreo e, last but not least, que pague do seu bolso os prejuízos que seguramente serão importantes. É para isso que existem os paisanos. Se pagam para o BPN, para o BPP, para tudo e para nada por que não pagar para manter no ar a TAP e os seus gloriosos trabalhadores?     

 

16 comentários

Comentar post