Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

31
Ago11

Com a mentira nos enganaram

O meu olhar

Há menos de um ano Passos Coelho ano opunha-se à diminuição das deduções com as despesas na saúde em sede de IRS com o argumento que o Governo estava a encaputar um aumento da carga fiscal. Basta ler as medidas hoje anunciadas para se perceder o desvio colassal entre o discurso de Passos Coelho antes das eleições e as medidas anunciadas pelo seu Governo.

 

31
Ago11

Frases Que Ficam

O meu olhar

"A margem para negociação ( do Orçamento de Estado de 2011) é esta: nós não aceitamos que o Governo vá buscar mais dinheiro ao bolso dos portugueses. Esta é a margem de negociação"

Pedro Passos Coelho, em entrevista à RTP a 16 de Setembro de 2010.

30
Ago11

Intento (7)

sociodialetica
  “Nas economias complexas (...) a corrupção directa foi amplamente substituída pelas contribuições para as campanhas políticas, e o retorno tenderá a (...) ser uma mudança de política que, pelas suas ramificações, custará (...) [muito] à sociedade”
Joseph E. Stiglitz, Un autre monde. Contre le fanatisme du marché, Paris, Fayard, pag. 265
27
Ago11

Intento (6)

sociodialetica
  “Os homens pensam que são livres pela única razão de que são conscientes dos seus actos e ignorantes das causas que os determinam”
Espinosa. Citado por François Chatelet e al, História da Filosofia Vol II, Lisboa, Círculo de Leitores
24
Ago11

Intento (5)

sociodialetica
“Os filósofos têm apenas interpretado o mundo de maneiras diferentes; a questão, porém, é transformá-lo.”
Karl Marx, Tese 11, Teses sobre Feuerbach, in Marx & Engeks – Obras Escolhidas, Lisboa, Edições Avante.
24
Ago11

Diário Político 172

mcr

O Verão, sempre ele

 

Pois é, queridas paroquianas, o Verão chama para o mar, para o dolce far niente, que é uma boa perífrase da mais cruel realidade da preguiça, para as notícias de contrabando, enfim, para tudo quanto cabe na noção de silly season.

 

Claro que a “estação calmosa” é também o momento oportuno para o Governo, todos os governos, indígenas e estrangeiros, nos ferrar com um par de bandarilhas. Enquanto a maralha está na praia a ver passar as/os atletas do bronze, os cavalheiros lá de cima arregaçam as mangas e sangram-nos mais uns tostões.

 

Não é de hoje, nem de ontem e, desta vez, estávamos avisados. Não que o aviso minore a dor ou sirva de desculpa mas estávamos avisados. Aliás, este Governo não tem feito outra coisa senão avisar a malta que o cacau faz falta.

 

Portanto, desse lado, nem novas nem mandados: cá, ou no resto do mundo, as coisas não vão de feição (ou melhor vão razoáveis para os chineses e outros BRIC mas basta deixá-los pousar: quando começarem a pagar salários decentes e toda a gente quiser o. até agora para eles, impensável cá estaremos – se vivermos – na primeira fila a assistir.)

 

Não pensem que estou a apelar à REVOLUÇÃO ão, ão porque não estou. Eu, mais modestamente, lembro verdades antigas e evidentes quais sejam a de que ninguém consegue viver acima dos seus meios indefinidamente. Mas isso, sendo muito um apelo a uma outra maneira de viver, cai seguramente em saco roto. Não importa, eu venho dos anos sessenta – mas sem faca nos dentes nem Stalin, Mao ou Lenin como viático – e mesmo a alguns passos da cova, continuo convencido que o capitalismo selvagem é amamentado pelo consumismo sem freio, pela falta de (est)ética pela incapacidade de conceber a sociedade de cidadãos (e não de súbditos) bem como pelos ópios intelectuais quer os que pariram o século XX quer os anteriores  que já Voltaire acusava. O socialismo burocrático com os seus epigonais profetas que imitam (quando não superam) os das igrejas estabelecidas não apresentou propostas libertadoras. O facilitismo actual é filho dessa tropa fandanga que atormenta os espíritos e perturba a liberdade dos que ainda querem pensar o mundo.

 

Portanto não vou sequer rever o Papa em Madrid porque ele não disse sequer mais meia linha do que estava dito. Nem a festa multitudinária esconde a falta de projecto para os anos que se anunciam.

 

Também não me apetece explorar os gatunos de Londres e arredores: aquilo não é só (nem sequer principalmente) produto da pobreza, do racismo, da exclusão. Aquilo é o espelho em que se podem mirar todos quantos paternalisticamente se têm debruçado sobre estas sociedades feitas de nada e de coisa nenhuma. Aqueles bandos não têm moral porque até ontem os deixaram não a ter. De repente, a polícia e o estado descobrem que é preciso mão dura quando durante anos, assobiavam para o lado por que aquilo se continha dentro de limites, digamos, razoáveis.

 

Também não me apetece falar do frio, calmo e sanguinário norueguês que veio apenas provar que a extrema direita dorme no mais pacífico dos ovos mas que, a todo o momento, como os vulcões, acorda e causa estragos. E já agora, que se está com a mão na massa, talvez seja interessante, começar a falar a sério nessa extraordinária invenção ou moda que é o multiculturalismo.

 

Multiculturalismo, a secas, é apenas ignorância. Importação acéfala e acrítica de restos de culturas não compreendidas de que aliás os seus portadores fogem. Na ânsia de se fazerem perdoar pelo euro-centrismo, pelo colonialismo e pela exploração de outros mundos e povos, alguns basbaques europeus olham comovidos e em estado de gozoso deleite para a “máscara” de um par de costumes que urge proibir. A saber, a desigualdade das mulheres, e todos os seus efeitos, da burka à ablação do clítoris, a ideia da religião ser totalizante e totalitária, com o seu cortejo de sharias e lapidações, os vudus e todas as crendices que suprem a pobre e utilitária religião de cada dia nos dai hoje.

 

E sobretudo conviria indagar se o nosso “multiculturalismo”, tão politica como imbecilmente correcto, é aceite nos outros sítios do vasto mundo. Ou apenas se deve usar no mundo ocidental? Isto, senhoras e cavalheiros, é racismo tonto e incultura geral. Demorámos demasiados anos, demasiadas gerações a criar um mundo tolerante mas respeitoso da lei, da liberdade, da igualdade e da democracia. Aceitar o outro não é aceitar tudo o que ele traz sobretudo se isso implica abrir excepções aquilo que livremente entendemos dever caracterizar as nossas sociedades. A não ser assim, só estamos a criar os breiviks de outros e reaccionários descontentamentos.

 

E daqui passamos às boas novas da frente líbia. Pelos vistos, é desta que Kadafi se vai. Ou melhor, esperemos que não vá. Que seja julgado pela sua gente, pelos que ele governou despoticamente durante quarenta dramáticos anos. Seia fácil deixá-lo partir para a delirante Venezuela de Chavez ou para a desastrosa Nicarágua que deixa morrer gente à fome mas persiste em estender a mão a tiranos e ao auxílio do mundo dito rico. Os manda-chuvas destas duas singulares e desgraçadas nações já se ofereceram para acolher o homem que matou centenas de pessoas em Lockerbie.

 

E não deixemos de fora a síria, onde semanalmente se vão acrescentando umas dezenas de vítimas mortais ao rol já impressionante de assassinados por Assad.

 

O mundo árabe fervilha, pouco me importa se no meio há ou não islamistas –morrem e combatem como os outros – por alguma liberdade e outro tanto de democracia. Eppure si muove! Ainda bem. Ainda bem mesmo se isso ao modificar os dados da produção e venda do petróleo nos vier mexer na alma, quero dizer, no bolso. Já era tempo!

 

Com tanta parlapatice, esqueci-me do magno problema dos árbitros e do Sporting. Arranjem um apitador que finalmente permita que o raio do clube marque –seja de que maneira for! -  uns golos. Ou aumentem as balizas dos adversários para o dobro! E diminuam o número de jogadores da equipa contraria em duas ou mesmo três unidades. A ver se os “verdes” ganham, que diabo!

 

*a gravura de mau gosto representa o modo pouco civilizado de estar no mundo de d'Oliveira que não se importa de coisificar a mulher apenas para ilustrar os seus baixos instintos e o seu conservadorismo filisteu

d'Oliveira fecit 24-08.11

 

 

 

24
Ago11

Os banhos do Senhor Presidente

José Carlos Pereira

Voltei a cruzar-me nestas férias com o Senhor Presidente da República nas areias do Algarve, mais precisamente na praia do Barranco das Belharucas, junto a Olhos de Água. Por duas vezes vi Aníbal e Maria Cavaco Silva entrarem nas águas tépidas acompanhados de dois seguranças travestidos de banhistas. Um homem junto de Aníbal e uma mulher junto de Maria. No areal ficava o chefe da segurança com um saquinho à cintura, cujo recheio se adivinhava. Na hora da caminhada pela praia, o casal presidencial era seguido pelos dois seguranças-banhistas e o chefe da segurança acompanhava à distância o andamento do quarteto, pelo meio do areal. No fim do dia, duas viaturas topo de gama recolhiam a comitiva presidencial a banhos.

O mais alto magistrado da Nação deve ser protegido e defendido de eventuais incómodos, sobre isso não há a mínima dúvida, mas já me parece um claro exagero mobilizar tantos meios de segurança para que o Senhor Presidente da República possa banhar-se no Algarve. Comparado com o que vi há uns anos na mesma praia, com os mesmos protagonistas, houve um claro reforço de meios de protecção do Presidente. Por que seria? Receio dos reflexos da crise no comportamento dos portugueses?

Ora, Portugal é um país de brandos costumes e a presença de Cavaco Silva na praia passou indiferente à quase totalidade dos veraneantes. Aliás, com aqueles barrancos e arribas sobre a praia, de que valeriam os seguranças se alguém quisesse atingi-lo?

Das idas de Cavaco Silva à praia, situada a alguns quilómetros da sua casa na praia da Coelha, sobrou-me ainda uma curiosidade: quem terá pago o toldo na praia? A Presidência da República ou a família Cavaco Silva?

23
Ago11

(3) Ciclo de Negócio, Crise e CRISE DO EURO

sociodialetica

(Continuação de artigos anteriores com o mesmo título [1] [2])

 

11. As fases do ciclo e as crises manifestam-se de acordo com as leis que as regem, mas assumindo formas, intensidades, interligações, harmonias e conflitos diferentes conforme as especificidades de cada momento, conforme os comportamentos típicos e efectivos dos intervenientes na sociedade, desde o Estado às empresas. As leis são regularidades explicitadas através da observação imediata das irregularidades, enquanto aparências de fogachos do acaso.

A crise que se iniciou em 2008 e que continuamos a viver é frequentemente comparada com a dramaticamente famosa crise de 1929/33 sobre a qual é importante recordar algumas imagens:

  • Tudo parece ter começado na bolsa. “Os sintomas da crise já tinham aparecido no início de 1929 (leve queda da Bolsa de Nova York), a produção industrial americana já havia começado a cair a partir de julho do mesmo ano, causando um período de leve recessão econômica, e em setembro aconteceu a queda da Bolsa de Londres. Em agosto, a taxa de juros foi levada de 5% para 6%, numa tentativa de reduzir o volume de crédito, mas já era tarde demais. A orgia de lucros, finalmente, estourou a 24 de outubro de 1929: as cotações do Stock Exchange de Nova York afundaram 50% em um só dia. Estes preços estabilizaram-se ao longo do final de semana, para caírem drasticamente novamente na quarta feira, 28 de outubro. Muitos acionistas entraram em pânico. Cerca de 16,4 milhões de ações subitamente foram postas à venda na quinta feira, 29 de outubro, a “Quinta-Feira Negra”. O excesso de ações à venda, e a falta de compradores, fizeram com que os preços destas ações caísse cerca de 80%. Até o final do mês, seguiram-se novas derrubadas de preços e uma onda de falências. Milhares de acionistas perderam, literalmente da noite para o dia, grandes somas em dinheiro. Muitos perderam tudo o que tinham.”
  • A violência do não pagamento das dívidas alterou radicalmente o sistema monetário: “Em 1931-1932, a Inglaterra, Canadá, a Escandinávia e os EUA abandonaram o padrão-ouro; em 1936, somaram-se a eles Holanda e Bélgica, finalmente também a França”. (...) “A desvalorização se mostrava incapaz de sustar as fugas de capitais, inclusive as reforçava. A maioria dos países latino-americanos, cujas moedas foram depreciadas em 1929 e 1930, recorreu ao controle cambial em 1931 e 1932. Na Europa, vários países aliaram igualmente a desvalorização e o controle cambial.”
  • A actividade económica produtiva decresce violentamente: “Em 1932, a produção mundial tinha caído 33% em valor; o comércio mundial, 60%; o Birô Internacional do Trabalho contabilizava 30 milhões de desempregados (cálculo modesto). Os países mais atingidos pela crise, além dos Estados Unidos, foram a Alemanha, Austrália, França, Itália, o Reino Unido [onde a taxa de desemprego atingiu 20%],  e especialmente o Canadá. (...) O comércio mundial desabou: reduziu-se a um terço do seu valor entre 1929 e 1933. O desabamento se devia, em parte, à queda pela metade dos preços-ouro mundiais. Os índices da produção industrial nos principais países caíram na mesma proporção (50%). E disso resultou um número enorme de desempregados: 12 a 15 milhões nos EUA, 6 milhões na Alemanha, 3 milhões na Grã-Bretanha; na Tchecoslováquia havia quase um milhão de desempregados numa população de 13 milhões de habitantes. A situação foi pior, embora na mensurável em cifras tão precisas, nos países menos conhecidos que viviam da exportação de matérias-primas, agora invendáveis.”
  • Houve um aumento da concentração da riqueza: “No fim do processo, oito grupos financeiros detinham 30% da renda nacional: a banca Morgan (que controlava General Electric, Pullman, US Steel, Continental Oil, ATT, etc.), Rockefeller (US$ 6,6 bilhões em ativos), Kuhn e Leeb (10,8 bilhões), Mellon (3,3 bilhões), Dupont de Nemours (2,6 bilhões). Constituíram-se também redes de acordos internacionais, espacialmente com empresas alemãs: Dupont de Nemours e IG Farben, General Electric com Siemens e Krupp, General Motors e Opel.” (Osvaldo Coggiola, “A crise de 1929 e a grande depressão da década de 30”)

Ainda não conhecemos plenamente a actual crise porque ainda a estamos a viver. Não a conhecemos tão bem quanto a crise de 1929/33 porque dessa já exploramos todas as consequências, já incidimos o crivo da racionalidade e o bisturi da análise sociológica e económica ao longo de décadas, mas é possível traçarmos em linhas gerais as grandes semelhanças e diferenças. Elas no ajudarão a compreender algumas vertentes que nos permitirão concluir sobre as ligações entre a actual crise de sobreprodução e a que então se viveu.

 

12. Entre as semelhanças salientemos as seguintes:

(A) Ambas são partes integrantes do ciclo de negócios, são crises de sobreprodução que se manifestam sob a forma de subconsumo. Dentro desta tipificação podemos dizer que são grandes crises, crises de grande intensidade de manifestação, com impactos sociais susceptíveis de gerar as mais profundas rupturas sociais. São crises de amplitude mundial que se revelam com grande sincronismo entre os países até então dominantes.

(B) Ambas se desencadeiam numa fase em que o capitalismo domina à escala mundial, em que as relações económicas e sociais são de tal forma intensas e frequentes que podemos falar num capitalismo mundial, o capitalismo já dominado por grandes empresas internacionais, as chamadas multinacionais. A exploração colonial de então expressa-se hoje sob a forma “neocolonial” (apesar das diferenças entre as duas situações as semelhanças são mais fortes) ou, por outras palavras, utilizando uma terminologia consagrada, estamos, então como hoje, na fase imperialista do capitalismo.

(C) Grande parte das formas de manifestação da crise é semelhante: diminuição do investimento privado, inversão do crescimento do produto nacional, desemprego em grande percentagem, falências, instabilidade bolsistas e violentas quedas de cotação. Enfim uma panóplia de situações a que já fizemos alusão.

Simultaneamente apresentam grandes diferenças:

(1) Os mercados financeiros não criam valor, transferem valor. A criação deste encontra-se, grosso modo nas actividades agrícolas e industriais. Os mercados financeiros podem ser importantes para as actividades produtivas mas serão tanto menos quanto o capital fictício assume uma importante parcela das actividades daqueles mercados. Quando da crise de 1929/33 a Inglaterra e os Estados Unidos da América, em plena ascensão mundial eram as economias mais poderosas tanto em termos produtivos como financeiros (em 1926/9 os EUA era responsável por 42,2% da produção mundial de produtos industrializados e o primeiro produtor mundial de carvão, electricidade e petróleo ao mesmo tempo que a bolsa de Nova Iorque assumia cada vez mais a hegemonia financeira mundial). Na actual crise os EUA dominam os mercados financeiros, continuam a ter uma importante base industrial mas há uma forte deslocação dessas actividades para outras economias, como a China. Há um hiato político-territorial entre o centro das actividades financeiras e os centros das actividades criadoras de valor. Este hiato tende a condicionar as possibilidades de recuperação da crise e tenderá a associar a saída da crise a uma reestruturação do poder económico mundial.

(2) Em parte pelas razões invocadas no ponto anterior, em parte por uma generalização da ideologia neoliberal, em parte, ainda, pelas novas formas adoptadas pelos EUA para manter o seu poder internacional (assente no capital financeiro e na capacidade militar) a economia mundial, muito particularmente as economias americana e europeia, dos últimos trinta anos tem assentado numa expansão exponencial dos mercados financeiros (monetário, de capitais, cambial; formais e informais), dos contratos a prazo (futuros, opções, swaps, warrants, certificados, produtos estruturados, Hedge Funds e tudo que a imaginação e os interesses do capital fictício o exijam), dos bancos, instituições financeiras e fundos de pensões. Uma financiarização não só desligada do processo produtivo como, em grande medida, contra ele. O capital especulativo, a quantidade de recursos absorvidos pelas transacções financeiras, o predomínio avassalador do curto prazo na lógica e dinâmica económicas foram factores que colocaram os mercados financeiros em conflito com as actividades produtivas. Acrescente-se que tudo isto associado à ideia da eternização desse processo conduziu a uma abundante criação legal favorável à redução das reservas bancárias (o que simultaneamente aumentava as suas capacidades de crédito) e à desregulação.

Por outras palavras, esta financiarização da economia apontava para a possibilidade de uma crise económica de maiores proporções e menores possibilidades de recuperação que na crise anterior. Esta tendência ainda foi reforçada pela política económica desencadeada quando dos primeiros sinais da crise: apoiar os bancos, alimentar os mercados financeiros, facilitar a vida aos principais agentes causadores da crise.

(3) O crescimento avassalador das actividades financeiras aqui referido foi sistemicamente acompanhado por um aumento da economia não-registada, frequentemente designada por economia paralela. Aumentam as actividades que visam a fuga aos compromissos fiscais (grandemente com o apoio dos próprios Estados que fomentaram a concorrência fiscal, a livre circulação do capital, a deslocalização industrial, as praças financeiras offshore), a economia ilegal (da escravatura ao tráfico de droga, do armamento ao lixo tóxico, das espécies em extinção aos órgãos humanos, etc.) e ainda a economia informal. A fraude entrelaça-se com esta tendência de aumento da economia paralela, a corrupção generaliza-se a assume formas mais sofisticadas, como a promiscuidade entre o económico e o político, o financiamento das campanhas eleitorais, etc.). As máfias e o crime económico internacional organizado estão presentes por todo o lado. Estas são situações totalmente novas em relação à crise de 1929/33.

Por definição o aumento muito significativo da economia paralela reduz a eficácia das políticas económicas, reduz as possibilidades dos Estados desencadearem políticas económicas cíclicas, anti-crise e de recuperação, de promover um desenvolvimento económico assente na criação de valor.

(4) Há contudo uma diferença entre as duas crises que joga a favor da situação actual. Os Estados têm um passado de intervenção que lhes confere um maior peso na economia, apesar das teses liberais, antes, e neoliberais, depois. A integração económica, o maior entrelaçamento da economia e os actuais meios tecnológicos permitem conjugação de esforços à escala mundial e maior rapidez de actuação.

Mesmo nas semelhanças existem diferenças que não são nada despiciendas. Em ambas as situações há um domínio mundial do capitalismo. Contudo a crise de 1929/33 acontece com a experiência da Revolução Russa de 1917 ainda bem viva na memória de todos, num quadro social internacional de construção de um sistema social alternativo. A actual crise verifica-se após de um quarto de século de derrocada do conjunto de países constitutivos do “bloco soviético”, de convencimento de que a China optou definitivamente pelo capitalismo. Por outras palavras então o capitalismo estava ameaçado enquanto agora é o grande vencedor à escala mundial.

 

13. Perante a situação de crise, animados pelos apoios concedidos pelos Estados e pelas grandes quantidades de capital-dinheiro fora do controlo do Estado (offshores, economia paralela, branqueamento de capitais) o capital financeiros redescobriu novas formas de se reproduzir, de continuar a usufruir de lucros associados à especulação. Os mercados de futuros e as multinacionais permitiram alastrar a especulação a bens essenciais ao quotidiano das sociedades e das pessoas. Afectou os preços internacionais do petróleo e dos bens alimentares.

Os preços de muitos bens deixaram de ser o “ponto de encontro da oferta e da procura” e passaram a ser essencialmente o resultado do jogo monopolista através da intermediação dos mercados de futuros.

Isso já era muito claro quando dos primeiros aumentos brutais do preço do petróleo. Afirmava então (« O Financeiro contra o económico ». Shift #1, Maio 2008):

“Se as crises são períodos típicos de opção por bens que possam funcionar como reservas de valor, o sistemático aumento do preço do petróleo e os aumentos de alguns outros bens minerais e agrícolas, revelam uma situação nova. Os preços no consumidor final não são o resultado dos custos de produção e da oferta e da procura, mas da especulação:

«O movimento ascendente mais recente ocorreu em paralelo com uma queda pronunciada do valor do dólar americano e, consequentemente, com uma deslocação de muitos investidores para futuros contratos de crude. Trata-se de uma substituição básica dos activos em alta pelos que se encontram em declínio. Esta dinâmica influenciou significativamente o preço do petróleo no curto prazo e fez também aumentar os preços de outras mercadorias. (...) A OPEC aprecia a forma como os mercados financeiros funcionam, mas é importante ter atenção aos impactos sobre o mercado do petróleo deste género de especulação, na medida em que pode criar um clima de nervosismo e incerteza.» (OPEC, «Stability and volatility?», OPEC Bulletin 3-4/08)

O capital fictício continua a promover formas de auto-sustentação. Consegue transferir os impactos da especulação para o preço dos bens de consumos, canalizando rendimentos dos consumidores para os lucros de empresas e especuladores.”

Continua a ser assim hoje, como se relata em “Petrolíferas aproveitam a desgraça alheia”, publicado em Maio no Courrier:

  • “o essencial, o custo do barril das empresas reflecte os custos anteriores de perfuração e/ou de compra do crude, que quase sempre têm pouco ou nada a ver com o preço actual do crude”
  • “os verdadeiros – e talvez únicos – ganhadores são os especuladores financeiros, nos mercados de futuros, e as grandes empresas petrolíferas, que tiram partido do pânico generalizado para impor um aumento dos preços muito superior ao dos seus custos”.

 

14. A actual crise do euro e da União Europeia (é isso que está em causa e não os problemas financeiros grego, irlandês, português, espanhol, italiano, belga, etc., não as dificuldades de liquidez da grande maioria dos bancos, não o abrandamento do produto das economias dominantes como a alemã) é a conjugação de dois factores: (a) a expansão da especulação financeira às dívidas dos Estados e aos mercados cambiais; (b) uma série de erros na criação do euro.

Porque já anteriormente falámos do expansionismo do capital fictício e especulativo recordemos alguns aspectos da segunda vertente. Alertando para outros textos já depositados neste espaço, recorremos a mais um artigo do Courrier (“Euro: salve-se quem puder”) publicado em Junho:

  • “A crise da dívida na Europa pôs a nu todas as mentiras, todos os logros, vazios jurídicos, fissuras políticas e lacunas económicas que acompanharam a criação da moeda única. Uma das razões pelas quais os europeus ainda não consolidaram o euro é a sua incapacidade de avaliar a magnitude da má-fé que esteve presente na criação da moeda única”.
  • “a Zona Euro foi sempre vulnerável a uma crise financeira. Mas, levando a negação ao extremo, a Europa nunca criou um mecanismo de resolução de crises. (...) Foram as decisões políticas tomadas pelos dirigentes europeus que acabaram por pôr em perigo a solvência de alguns países. O erro mais grave cometido durante o processo de procura de solução para a crise foi a decisão tomada pelos líderes da Zona Euro, em outubro de 2008, após a falência do banco americano Lehman Brothers, de adoptar uma abordagem do tipo (...) cada um por si (...) em relação à crise do sistema bancário.”
  • “a Europa está atolada num problema clássico da ação colectiva: a defesa dos interesses nacionais impede uma solução comum”.

 

15. É neste contexto internacional e neste entendimento das crises e da crise de sobreprodução actual que podemos entender a “crise das dívidas soberanas”.

Contudo fica uma dúvida.

A maneira como a “crise do euro” tem sido “comandada pelos mercados” é de um rigor cirúrgico no aproveitamento dos elos mais fracos, do desnorteio das instituições, da articulação entre as situações europeias e internacional. A conjugação de esforços entre os “donos do mundo” (“mercados”, banca, ratings, etc.) também tem sido de um rigor militar.

Os “mercados” têm uma direcção estratégica e táctica?

Os “mercados” têm uma intelligentia?

17
Ago11

Intento (4)

sociodialetica
“uma filosofia é tanto melhor e mais viva quanto se opõe mais nitidamente às instituições, maneiras de sentir e necessidades de qualquer um”
Aristóteles. Citado por François Chatelet e al, História da Filosofia: de Platão a S. Tomás de Aquino, Lisboa, Círculo de Leitores, pag. 80

Pág. 1/2