Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

04
Mai12

Batalha pela DIGNIDADE

JSC

 

Desde a guerra de 1967, cerca de 750 mil palestinianos, incluindo 23 mil mulheres e 25 mil crianças, estiveram numa prisão israelita, segundo dados das Nações Unidas. Estes números representam 20% de toda a população e 40% dos homens da Cisjordânia e da Faixa de Gaza – ou seja um em cada cinco habitantes, segundo o relator especial da ONU para os territórios ocupados, o norte-americano Richard Falk.

02
Mai12

Um governo ensonado

JSC

 

Já há uma explicação para o facto do Ministro das finanças dizer uma coisa e o primeiro  ministro dizer o seu contrário e vice-versa. O Governo, no seu todo anda a dormir pouco. Quem o afirma é o todo presente Miguel Relvas, que sabe sempre do que fala.

 

Hoje, numa palestra apropriada, Miguel Relvas disse que "O desemprego tira-nos o sono”. Deve ter sido por andarem a dormir que suspenderam o desenvolvimento dos projectos do QREN, paralisando centenas de empresas e mandando para o desemprego milhares de trabalhadores.

 

Enquanto Miguel Relvas se queixa da perda de sono, o Ministro da Economia adormeceu de todo e o primeiro ministro prenuncia mais desemprego, logo mais problemas de sono para o Governo.

 

Este governo não tem uma estratégia para o emprego nem para nada. Ao menos reconhece que anda ensonado e quem anda ensonado não pode produzir grande coisa, quanto mais governar um país.

02
Mai12

Passos Coelho prenuncia aumento do desemprego

JSC

No primeiro de Maio, em palestra para os TSD, Passos Coelho prenuncia que   "temos de estar preparados para viver durante pelo menos dois ou três anos com níveis de desemprego a que não estávamos habituados". Os TSD ouviram e até acabaram a bater palmas. Talvez pensassem que aquilo era um aviso para acalmar a euforia da governação.

 

O problema é que era mesmo a sério. O primeiro ministro estava apenas a antecipar a notícia do dia seguinte: A taxa de desemprego em Portugal agravou-se para novo recorde em Março, fixando-se nos 15,3%, indicou hoje o Eurostat. O número representa um agravamento de 2,9 pontos percentuais face ao período homólogo - em Março do ano passado o desemprego estava nos 12,4%.

 

Se a tendência se mantiver e tudo indica que sim, em 2015, ano da retoma, no dizer do ministro Vitor Gaspar, o desemprego andará pelos 23,9%. Passos Coelho não tem soluções para fazer crescer a economia. Mas consegue antecipar com grande precisão o crescimento do desemprego.

02
Mai12

Sem pingo de vergonha

JSC

...

« O Pingo Doce não esteve com meias medidas: para evitar que os seus empregados aderissem à greve, anunciou para ontem (só
ontem) uma "promoção" de 50% em compras de mais de 100 euros, usando o desprezível processo de atirar consumidores contra trabalhadores e humilhando estes com um dia de trabalho se possível ainda mais penoso, no meio do caos generalizado, filas, discussões, agressões e incidentes de toda a ordem.

 

 

Lá longe, na Holanda, Alexandre Soares dos Santos deve estar a rir-se»

 

Manuel António Pina, JN, 2/5/2012

02
Mai12

Agora a austeridade PEC chama-se austeridade DEO - muda o nome para a mesma política

JSC

Este 1.º de Maio esteve recheado de coisas obtusas, mas que tiveram larga repercussão mediática, ao ponto de secundarizar as comemorações do 1.º de Maio. Na véspera, apareceu o Ministro das Finanças a anunciar que deixamos de ter o PEC e passamos a ter o Documento de Estratégia Orçamental (DEO). Esta notícia encheu a comunicação social e esvaziou as notícias sobre o 1.º de Maio.

 

O DEO, com que o ministro pretende ofuscar a realidade, aponta com a cenoura mais lá para diante, do género, continuem a empobrecer, não façam ondas, que lá para 2015, 2018 serão compensados.

 

Ora, segundo o próprio ministro, tudo o que anunciou são meras hipóteses de trabalho, cenários a ser desenvolvidos, o que significa que nada valem em termos de compromisso político e muito menos em termos de estratégia para o desenvolvimento do país.

 

Enquanto o ministro das finanças falava do PEC, a que agora chama DEO, o primeiro ministro andava por terras alentejanas, em espaço fechado, a receber saudações e a dizer as bagatelas do costume. Das imagens que vi, o que mais me comoveu foi ver o povo com ar de satisfação a levantar-se e para estender a mão ao primeiro ministro. Não pude deixar de pensar, pobre povo este que estende a mão a quem o força à pobreza.

 

Um primeiro ministro que face ao flagelo que o desemprego atingiu nada mais  tem a dizer do que preparem-se para assistir a níveis de desemprego como nunca se viram em Portugal. E disse isto em pleno dia do 1.º de Maio. Para que é que precisamos de um primeiro ministro assim?

 

A cereja veio com a promoção oportunista e revanchista da multinacional holandesa que dá pelo nome de Pingo Doce, que despejou as prateleiras e mandou para segundo plano as notícias sobre o dia do trabalhador. Foi o que se pode qualificar de um golpe de génio. O resultado foi o assalto ao pingo doce por uma classe média qua se vê a caminho da fome. Pelo menos a Jerónimo Martins conseguiu mostrar, sem o querer, o lado mais negro da política de Vitor Gaspar e Passos Coelho. O Pingo doce foi invadido por uma nova classe de indignados.

Pág. 5/5