Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

13
Abr16

As eleições no FC Porto

José Carlos Pereira

maxresdefault.jpg

Decorrem no próximo domingo as eleições para os órgãos sociais do FC Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa recandidata-se ao seu 14º mandato e tem a eleição garantida pelo facto de liderar a única lista candidata. Aliás, Pinto da Costa apenas contou com um opositor ao longo destes anos, o médico e empresário Martins Soares, que disputou sem sucesso as eleições de 1988 e 1991. Curiosamente, alguns dos nomes que acompanharam Martins Soares rapidamente passaram a acérrimos apoiantes de Pinto da Costa…

Nunca votei nas eleições do FC Porto e ainda não sei se o farei no próximo domingo. Creio que também só por uma vez subscrevi a recandidatura de Pinto da Costa, contribuindo para a recolha de assinaturas levada a cabo pela patusca Comissão de Recandidatura de Pinto da Costa, que virou, ela própria, uma “instituição”, com patrocinador e tudo.

Entidades com as características dos grandes clubes de futebol, tal como sucede com outras instituições sem fins lucrativos, que contam com milhares de associados, não fomentam a participação activa nem procuram o contributo da generalidade dos sócios. Na realidade, acaba por não haver um verdadeiro escrutínio por parte dos membros dessas associações ou clubes, cuja estrutura se limita a cumprir os mínimos com as formais assembleias gerais ordinárias que reúnem escassas dezenas de participantes. A verdade é que estas entidades vivem voltadas sobre si próprias e sobre a agenda e os objectivos das suas estruturas dirigentes.

Já intervim em duas Assembleias Gerais do FC Porto e em ambos os casos as minhas interpelações ficaram sem resposta. Num caso, ainda no velhinho pavilhão Afonso Pinto de Magalhães, na sequência dos reparos colocados pelo Conselho Fiscal aquando do início da construção do modelo empresarial do clube. Recentemente, sobre uma alteração estatutária votada praticamente sem discussão e explicação aos sócios. Acabei por ser o único associado presente a não votar favoravelmente essa revisão dos estatutos.

Pinto da Costa apresenta-se a eleições num momento de insucesso desportivo e de evidentes dificuldades financeiras do FC Porto, numa época em que o cidadão comum está cada vez mais intolerante perante falhas de ética, apropriações indevidas de dinheiro e manifestações injustificadas de riqueza. E quando não se ganha, sobretudo no futebol, tudo vem ao de cima. Os adeptos até podem perdoar certos desvarios que enxovalham o clube, mas passam a cobrar tudo quando não se vence. Pinto da Costa sentiu pela primeira vez, no final do jogo com o Tondela, que a bancada do Dragão deixou de o reverenciar acriticamente, imputando-lhe responsabilidades directas pelo estado do clube.

As sucessivas más opções ao nível da gestão desportiva, as finanças periclitantes, as decisões estratégicas tomadas ao nível da SAD que não são escrutinadas pelo clube enquanto maior accionista, os negócios que envolvem a superestrutura e a empresa do filho do presidente – que, por razões éticas, devia estar impedido de negociar com o clube dirigido pelo pai – tudo isso contribui para que Pinto da Costa mereça a crítica aguda de muitos. Se o presidente saísse da redoma em que se encontra e assistisse anonimamente a um jogo nas bancadas do Dragão perceberia o sentimento que percorre os adeptos do clube.

Haveria melhor opção para liderar o clube no próximo mandato? Admito que não. Mas Pinto da Costa arrisca sair por uma porta pequena quando poderia ter saído pela porta reservada aos maiores dos grandes, já que é credor do crescimento extraordinário que o FC Porto registou nas últimas três décadas. Admito que Pinto da Costa não queira privilegiar um sucessor e não pretenda imiscuir-se numa escolha entre pares, mas devia fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para deixar o clube preparado para qualquer liderança futura, venha ela de dentro ou de fora da actual estrutura. Como também devia criar condições para que os estatutos do clube passassem a incorporar uma limitação de mandatos a todos os dirigentes eleitos, como forma de conter os desvios naturais em quem exerce o poder durante anos sem fim.

Espero que os dirigentes que me merecem todo o crédito nos órgãos sociais que vão ser eleitos no próximo domingo, e que escapam ao inner circle de Pinto da Costa, possam ajudar a arejar as ideias dominantes e a fazer vingar a visão do adepto comum, que sofre e vibra com os resultados, mas que pretende acima de tudo assegurar as bases de um clube sério, forte, perene, independente e insubstituível na região e no país.