Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

16
Mai08

Au Bonheur des Dames 122

d'oliveira

Uma “passa” no avião

O país comoveu-se com o(s) cigarrinho(s) fumado(s) pelo senhor Primeiro Ministro no voo para Caracas. Convenhamos que é demais. Sª Ex.ª nessa ida ad loca infecta tinha todo o direito de se drogar. Basta atentar no que o homenzinho do lenço vermelho lhe disse e lhe chamou: camarada, amigo, irmão... Meu Deus, só faltou beijá-lo na boca, à boa e velha maneira soviética. Mesmo que o beijo fosse de Judas, como atentando nos fundos petro-venezuelanos investidos na guerrilha colombiana, que volta e meia rapta um portuga, se poderia pensar. O governo com que o Senhor PM foi conversar tem destes vezos. Abraça o presidente da Colômbia de manhã e à noite manda uns dólares às abnegadas FARC. Que em troca limpam o sarampo a uns fieis do senhor Uribe. A política internacional é muito complicada...
Mas voltemos ao tabaquinho consumido pelo senhor PM e à gritaria que ele suscitou. Um homem não é de pau, malta! Um porradão de horas num avião superlotado dá um stress do catorze, que diabo.
Por mim, que fume. E notem que deixei esse agradabilíssimo vício há uma boa dúzia de anos. Por aposta, raios me levem! Bem pensado, ainda bem que o fiz, porque senão agora andava por aí, alucinado, à procura de um sítio em que pudesse dar umas passas enquanto, por exemplo, escrevo este post, aqui na esplanada do costume, abrigado por via do frio e da chuva que espreita. No vidro avisam-se os “estimados clientes” que é proibido fumar. Ao lado um anúncio canalha replica em letras garrafais “proibido fumar, permitido chupar”. Não, não é o que pensam, á tão só um anúncio a umas merdas que se chupam...
Claro que nesta minha generosidade vai um pouco de censura. Não foi o senhor PM e o (des)governo a que ele preside quem atirou à marabunta fumante uma proibição total de puxar pelo cigarro, pelo cachimbo, pelo charuto? Sem apelo nem agravo? E ai de quem transgredir. Multa nele, forte e feia. Terão multado o cidadão José Sócrates? Irão multá-lo? Ou basta o seu solene pedido de desculpas e aquela absurda promessa de deixar de fumar? Então aquele homenzinho de bigode farfalhudo da ASAE que é que anda a fazer? Olhe que multar um PM dá uma grande pinta. E mostra, urbi et orbi, que a lei é para todos. TAP incluída que veio pressurosa e mesureira dizer que nos voos fretados não há proibição de esfumaçar! Multem-me essa companhia, raios!
(a propósito: já viram a generosidade da TAP? Oferece um voo – só de ida - à Madeira por 60 €. Por esse preço vou a Roma para a semana que vem. E até posso ver o Papa que sempre é mais interessante do que o soba local)
O senhor PM entretanto terá dito hoje (enfim, ontem) que o alarido sobre o seu cigarro era um torpe ataque político. A habitual conspiração das forças de bloqueio. Os fundamentalistas que a ele, PM, metem dó. Onde é que eu já ouvi isto?
Eu, a S.ª Ex.ª não reprovo o cigarrinho, muito embora possa, eventualmente, discutir a marca do dito. Um PM não pode andar a fumar um mata-ratos qualquer. Outro galo cantaria se, verbi gratia, o senhor PM tivesse usado tabaco picado, mortalhas decentes e enrolado (à mão, se faz favor), e bem lambidinho, um cigarro. Isso, essa manufacturação do cigarro merece perdão por eu entender que entra nas excepções ditas de alimentos tradicionais que a ASAE e o governo desconhecem. Um cigarro feito à mão, com cuspo próprio, é como uma cacholeira alentejana, um queijo do Rabaçal, um frango pica o chão de cabidela. É telúrico, valha-me S Miguel Torga!
Voltando à vaca fria: o senhor PM não deveria chamar fundamentalista a ninguém quando, por um incidente menor, desata a prometer ir a Fátima a pé, perdão, deixar de fumar.
Mais: prefiro um PM que fume a um PM proibidor. Prefiro vê-lo a sacudir preguiçosamente a cinza em cima do senhor ministro das finanças, do que ouvir um dos seus soporíficos sermões sobre o maravilhoso estado da Nação e sobre a excelsa bondade da política levada a cabo pela senhora ministra da educação, por (mau) exemplo.
Finalmente, muito me temo que esta promessa, feita depois das louvaminhas de Chavez, não vá mais longe do que outras mais graves e mais próximas que já são apenas uma saudade apesar de terem sido feitas no calor da campanha eleitoral que alcandorou S.ª Ex.ª ao lugar que hoje ocupa.
Mas, mesmo nesse caso, sempre direi que, pelo menos este escriba, não lhe levará a mal a quebra da promessa. Cesteiro que faz um cesto...

2 comentários

Comentar post