Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

21
Jun05

Rodriguinhos....

Incursões
Leio, mais ou menos atento, os últimos postais, e vejo que os magistrados descobriram que têm uma grande dificuldade de fazer passar a sua mensagem - a verdadeira mensagem, a mensagem da abnegação e do trabalho que subjaz às suas reivindicações - através da comunicação social. Leio os comentários do José (solidário consigo, meu caro, por outras razões...) ao texto do venerando que ontem escreveu no Público, e não posso deixar de sorrir, porque para entender o venerando tive que ler uma, outra e outra vez. Eu, que sou medianamente inteligente, fico também assim quando leio um acórdão e fico um bocadinho pior quando tenho que o explicar ao cliente, em linguagem corrente, de merceeeiro ou, sei lá, de carroceiro muitas vezes.

É claro que há magistrados que sabem - às vezes até bem demais - fazer passar a mensagem para a comunicação social e - verdade seja dita - também há uns tantos que sabem escrever sentenças que o vulgar cidadão percebe.

Já aqui escrevi muitas vezes: o problema dos magistrados (e dos tribunais) é que desconfiam da comunicação social. Não porque a comunicação seja boa ou má. É tão boa ou má como a casta dos magistrados. Desconfiam da C.S. como desconfiam dos advogados e dos políticos, porque nem sempre - ou quase nunca - conseguem alhear-se da formatação (sim, da formatação) que os leva a sentirem-se numa redoma, imunes à crítica e tantas vezes deuses.

Este é o cerne da questão, da candente questão do lamento segundo o qual nunca são entendidos nas suas bem intencionadas intenções. Vejamos: ando há semanas consecutivas a ler por aqui, Tenham cuidado, que, afinal, o que "eles" querem mesmo é acabar com a autonomia das magistraturas. Mas ninguém explica porquê. Fica sempre tudo na nebulosa, como se a magistratura fosse uma loja secreta que não pode dizer algumas coisas - apenas pode sugerir intra-muros, na secreta esperança de que algum jornal tome como informação sugestões capciosas.

Consequências? A casta anda a reagir mal às medidas do governo - eu sei que são más - a pretexto de várias coisas, mas o que está subjacente, na verdade, é o pensamento, Ai que eles querem que nós não sejámos independentes, querem controlar-nos... Eles, os bichos maus, os políticos que se sentem ameaçados (claro que boa parte deles devia estar presa, sobretudo aqueles que beneficiam da impunidade que alguns da casta lhes conferem).

E, então, ficam-se pelas meias tintas, pela mensagem subliminar, coisas que o cidadão comum não percebe e, por isso, não pode deixar de pensar que o que está em causa é mesmo o medo que os magistrados têm de perder privilégios terrenos, ligados a questões de férias e de dinheiro.

Moral da história: ou os magistrados aprendem a comunicar e passam a sentir-se obrigados a comunicar como as demais classes, ou têm tudo a perder. Até o respeito que ainda merecem.

Por isso, deixem-se de rodriguinhos e ataquem fundo a questão, sem tibiezas. É que, apesar de estarmos na UE, coisa tão moribunda que tem como figura de proa quem nós sabemos, não me espantará nada que as convulsões sociais venham a ter consequências graves que ponham em causa o próprio regime. E, se isso acontecer, vamos confiar em quem?

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/4