Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

05
Jun05

Ordinarice à moda do Porto

d'oliveira
Sexta feira, bem cedo, um par de criaturas não identificadas, com a prestimosa ajuda dum carro de bombeiros, colocou à entrada dos jardins do Palácio de Cristal uma faixa de pano que, em letras garrafais, reza o seguinte: Srª Ministra acabe com a sua birra! Deixe condluir o túnel de Ceuta.
No sábado, a cidadã portuense, e professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Isabel Pires de Lima deslocou-se à "feira do livro" para homenagear Óscar Lopes. Leu esta pobre e descerebrada má criação, passou adiante e teve a elegância de não a comentar.
Os responsáveis da feira do livro tinham pedido, sem êxito, a retirada do pano miserável.
Os "serviços competentes" recusaram porque a infâmia em causa estava lá com autorização da Câmara Municipal do Porto.
Quem mandou, permitiu, sequer autorizou? Mistério!
Quem é que, a coberto deste torpe anonimato, envergonha a cidade, envergonha a cultura, causa embaraços à direcção da feira? Mistério!
O cidadão que esta nota subscreve, de seu nome Marcelo Correia Ribeiro, tapa o nariz com uma mão e acusa o Senhor Rui Rio, presidente da Câmara Municipal do Porto.
O combate político atingiu, com o túnel de Ceuta, profundidades inesperadas: é já uma fossa nauseabunda onde o desespero camarário se afunda. Não lhe basta perder nos tribunais, na opinião pública, no mais elementar bom senso. Agora recorre ao anonimato e à chalaça mais torpe para atingir uma mulher do Porto, de incontestável notoriedade como professora e cidadã que, num gesto de cortezia e lhaneza vem homenagear um dos mais importantes intelectuais portugueses, professor de gerações de estudantes de literatura e exemplo de civismo. Vem na qualidade de cidadã. Mas poderia vir na de Ministra da Cultura que muito bem lhe ficava.
Eu, já não espero nada da triste criatura que uma vez escreveu ao Sr. Preisente da República a fazer queixinha do "Público". Tinha-o, desde há muito, por absolutamente inculto, teimoso e arrogante. Pensava que, com a célebre passagem por um dos colégios privados mais "in" da cidade lhe tivessem inculcado algumas regras de educação. Baldada suposição! Não se peçam peras ao olmo, diz um ditado espanhol. Nem elegância e boas maneiras a quem, em pequenino não deram chá.
Sabem porque é que o Porto, dia a dia, se abastarda, empequenece e perde importância? Por ter gente desta à sua frente!
E disse. Já estou agoniado com tanta porcaria.

6 comentários

Comentar post