Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

24
Abr07

Farmácia de serviço 31

d'oliveira
FUI CIEGO
COMO PIEDRA DE CRIPTA HASTA QUE UN DIA
VI EN EL MUNDO LAS MANOS VERDADERAS

NO ERAM LAS MANOS, SINO AQUELA FORMA
DE ESTAR UNIDAs SIN TOCARSE, COMO,
EN EL BOSQUE, LAS HOJAS SORPRENDIDAS
EN LA PROFUNDID Y LA QUIETUD
(Antonio Gamoneda)

A botica anda arredia não porque lhe falhe assunto mas apenas porque o praticante de serviço é um preguiçoso dos quatro costados, distrai-se por tudo e por nada, enfim, a crise da farmácia chegou ao incursões. Hão-de ter reparado que se falou em praticante e não em boticário. E razão não falta: alguém, seguramente um aleivoso, levantou reparos ao diploma que está emoldurado ao lado da caixa registadora. Puseram em dúvida o latim do documento (se calhar queriam Cícero ou Virgílio) o selo branco, a data enfim, uma escandaleira.
O responsável pelo estaminé entendeu recorrer aos tribunais para convencer os insidiosos e lavar a honra, mas até lá louva-se com o título de praticante. É para que conste.
E comecemos pelo princípio como ensinava um insigne mestre coimbrão e de Direito: Beethoven! Esse mesmo o Luís, que Ludwig é nome de incréu ou de aluno de Königsberg (e sabe-se lá que género de universidade será, mesmo com o Kant, pode suceder que ele só emprestasse o nome, já se viu disso, portanto nunca de confiar). Beethoven portanto. Anuncia-se a Integral na Brilliant classics, lá para Setembro. A “abeille musique”, vossa velha conhecida, garante o preço dos 100 (cem) cds: 112 euros. E como toda a gente sabe, não é refugo. São excelentes interpretações entretanto caídas no domínio público.
Quem estiver apressado, tem aí da mesma editora uma escolha (as obras principais) em 60 cd. O preço? Um escândalo: 39.99 euros. Está na amazon.fr
E a pintura? É raro aparecerem aqui dicas mas desta vez aí vão. Em Lisboa na S Mamede está uma mostra de obras recentes de Ana Maria. Vão por mim que, desde os anos oitenta, a fui comprando. É coisa fina! Um desenho minucioso e miudinho, um grande domínio da cor e uma imaginação prodigiosa.
Curiosamente ou não, a Cordeiros, desta vez no Porto anuncia Mário Bismarck, que também fui adquirindo na mesma altura. O surpreendente disto é que foi casado com a Ana Maria... Eu recomendo-o muito também. Por isso tenho dele duas peças na sala. Pela amostra, o Bismarck está muito hiper-realista. E muito, muito bom.
Terceira proposta: no Palácio Anjos, em Algés três exposições sobre a égide do Centro de Arte/colecção Manuel de Brito: Menez por um lado e Ana Vidigal e Ruth Rosengarten por outro.
Uma lembrança comovida do Manuel de Brito, um marchand a sério num pais a fingir.
E terminemos esta viagem com a gratíssima notícia do prémio ao Eduardo Batarda. Desculpem lá, mas é um amigo muito querido desde o nosso longínquo ano de caloiros. O Batarda é todo um percurso de inteligência, ironia, rigor, uma lição. Se vos passar perto uma coisa em forma de livro com o título “O peregrino blindado” da autoria (?) de José Lopez Werner, tradução e adaptação de Batarda Fernandes, edição da livraria 111, 1973, em 200 exemplares numerados de 1 a 200, disparem e abram os cordões à bolsa que agora deve estar por um fartote de maravedis. Se vos propuserem o exemplar 101 não comprem que esse já cá canta. E não fiquem a roer-se de inveja. Eu casquei uma nota preta por ele naquela época. Olho para o bom e um sentido forte de amizade. Nós os de Coimbra dos anos sessenta somos assim, João Tunes! E valeu a pena!
Mais discos: então não é que a Câmara Municipal de Matosinhos editou na sua série “Musica Portuguesa –século XX” o “in memoriam Bela Bartok, op. 126” do Lopes Graça e a “Música para piano” do Jorge Peixinho, com interpretação de Miguel Borges Coelho (isto fazia parte de um sumptuoso saco de ofertas aos membros das mesas do Literatura em Viagem). A CMM que também já se mostrou mecenática com Alvaro Salazar, Cândido Lima, Filipe Pires, João Pedro Oliveira, tudo gente que o praticante de farmácia conheceu nos bons tempos em que trabalhava na Delegação Regional do Norte da Secretaria de Estado da Cultura.
Então esta Câmara é ou não é um escândalo?
Já agora um recadinho para a CMM: ó malta eu aceito de boa vontade os outros discos...
Passemos à livralhada. O que não falta são boas edições portuguesas. Mas só para chatear o indígena aqui vão umas propostas sumptuosas e espanholas: “El corazon helado” de Almudena Grandes, belíssima ficcionista de quem traduzi há pouco (ainda não está no mercado) Los Aires dificiles. A edição é da Tusquets. Curiosamente fiquei a saber que ela é casada com um grande poeta Luís Garcia Montero de que muito gosto. Saiu dele, há uns meses e já cá canta, Poesia Reunida 1980-2005, Tusquets igualmente. E querem crer que mulher e marido andaram juntos um pancadão de semanas no primeiro lugar de vendas?
Outro poeta, prémio Cervantes: António Gamoneda: “Poesia Reunida (1947-2004)” editada pela Galáxia Gutemberg e pelo Círculo de Lectores. Um portento!
Para acabar mesmo, refira-se o nº 242 da revista (também espanhola!) Litoral totalmente dedicada a um outro grande senhor da poesia de aqui ao lado: José Manuel Caballero Bonald: são trezentas e tal páginas lindíssimas com ilustrações fantásticas. A gravura de hoje é precisamente a capa deste exemplar.
O leitor Ferreira estabeleceu-se por conta própria mas jurou-me que continuaria a ler-nos. Está pois no blog ograndetedio-ferreira.blogspot.com. A ler sem hesitação que o David sabe do que fala. Ele pede desculpa pelo grafismo e por não saber pôr ilustrações. Quem achar que é melhor do que eu, digas-lhe como é que isso se faz.
A prima Maria Manuel apresenta na Casa Fernando Pessoa, no dia 3 de Maio, às 18,30 o livro dela e da Ana BenaventeDamas ases e valetes", Teorema. Li a versão de trabalho e gostei. O mítico escultor MSP declarou-se totalmente favorável e bem impressionado.
A Clara Boleo, outra de Coimbra, mandou-me agorinha mesmo um mail a convocar as massas musicófilas para um concerto de Pedro Boleo Rodrigues e Diana Dionísio. É na Casa viva, praça do Marquês 167, no Porto. Uma hora depois há discussão política: “cultura: basta de cereja que é feito do bolo?” Esquecia-me de dizer que isso acontecerá no sábado 28 a partir das 21.30. Ao concerto só faltarei por motivo de força maior, já o resto...

Razões estranhíssimas (castigo divino, punição governamental, asneira própria?) fizeram que isto saísse com gralhas. Estão corrigidas já hoje dia 25, de que falarei brevemente. A gravura de hoje é a própria capa da magnificente Litoral e os versos, claro são de Gamoneda.
Os leitores que desculpem as gralhas e o MSP que faça novo print. Olha, Manecas, foi sem querer.

1 comentário

Comentar post