Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

15
Jun07

OPÇÕES

JSC
Durante toda a década de 90, até hoje, a grande aposta do Estado, em termos de investimentos públicos, centrou-se na criação ou renovação das infra-estruturas de transportes, com particular incidência na construção de auto-estradas, IP.s, etc. O argumento era o de que esses investimentos iriam potenciar o crescimento económico, reduzir as assimetrias regionais, gerar mais riqueza, enfim, melhorar as condições de vida das populações.

No mesmo período outros países fizeram as suas apostas na valorização dos recursos humanos, com particular incidência nos domínios científico e tecnológico.

O resultado final foi que, no espaço de uma década, esses países ultrapassaram-nos em termos de desenvolvimento económico e social. Aliás, esses mesmos países continuam a crescer acima da média europeia. Portugal, por sua vez, não consegue, já lá vão quatro anos, sair do crescimento zero ou muito próximo disso.

Apesar deste panorama e do que a evidência mostra, o que o Governo garante, para os próximos dez anos, é que a aposta no domínio dos grandes investimentos públicos (mesmo sob a capa de parcerias público-privadas) vai continuar a ser as infra-estruturas de transportes. Ou seja, serão mais 20 anos a fixar os transportes como a grande prioridade e a canalizar volumes avultados de recursos para este sector.

O que os últimos dez anos mostraram é que hoje os tempos de deslocalização já se encurtaram significativamente, sem que daí tenha resultado impacto no desenvolvimento económico ou na fixação das populações no chamado interior. Será que a OTA ou o TGV é que irão inverter a tendência actual e trazer o desejado desenvolvimento? O país algum dia terá o retorno do investimento que se propõe realizar no TGV?

Numa perspectiva optimista lá virá o dia em que alguém entenderá que o país está bem dimensionado deste tipo de infra-estruturas, que bastará melhorar algumas e conservar outras e, então, definirá como prioridade a educação e o desenvolvimento científico e tecnológico. Contudo, face às opções que se avizinham esse dia nunca ocorrerá antes de 2016-2020.

Não haverá maneira de fazer antecipar esse dia, para amanhã, se possível?

49 comentários

Comentar post

Pág. 1/5