Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

21
Dez16

A aliança do PS com Rui Moreira

José Carlos Pereira

A recente entrevista de José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades Portuguesas e anterior presidente da Federação Distrital do Porto do PS, veio reavivar divergências no seio do partido quanto ao facto de o PS não apresentar candidato à presidência da Câmara Municipal do Porto nas autárquicas do próximo ano.

Já aqui escrevi sobre o assunto e as questões que coloquei nessa ocasião continuam por esclarecer. Depois disso, os órgãos distritais e concelhios do PS aprovaram o apoio à recandidatura do independente Rui Moreira com o argumento de que a cidade está acima do partido. E como os socialistas entendem que os portuenses apoiam maioritariamente a governação de Rui Moreira decidiram que não faria sentido promover uma candidatura contra o presidente em funções, ainda por cima quando o PS tem partilhado responsabilidades na governação ao conduzir os importantes pelouros da habitação social e do urbanismo.

Sucede que esse apoio do PS, que se seguiu ao apoio declarado pelo CDS, não teve por base qualquer negociação, pelo menos que seja do domínio público, quanto às listas, ao programa e às principais opções estratégicas, já que Rui Moreira se apressou a dizer que aceitava todos os apoios, mas que não negociaria essas matérias com nenhum partido. Ou seja, formalmente PS e CDS (e quem mais vier…) apoiam cegamente Rui Moreira e conformar-se-ão com as suas escolhas. E aqui poderia retomar as questões que coloquei no meu post de Fevereiro passado:

O PS terá uma palavra relevante no programa e na estratégia da candidatura? O PS aceitará que os seus representantes partilhem a lista com dirigentes do CDS? O PS reclamará um papel cimeiro para esses seus representantes, nomeadamente o segundo lugar na lista e a vice-presidência da Câmara, atendendo ao peso eleitoral do partido? E o que pensará disto tudo Rui Moreira? E os seus parceiros e eleitores de direita, naturalmente avessos a aproximações aos socialistas?

Se a vontade (ou a necessidade?) era apoiar Rui Moreira, admitiria com mais facilidade um acordo de coligação entre o PS e o movimento criado pelo autarca portuense, em que ficasse claro qual o caderno de encargos e o contributo do PS para essa candidatura. Assim, parece-me que o PS opta pela saída mais fácil quando está manietado pela teia de poder urdida por Rui Moreira, que fez da Câmara do Porto e das suas empresas municipais um porto de abrigo que mais parece uma salada de frutas, onde cabem desde um ex-vereador de Valentim Loureiro em Gondomar e um ex-director de Luís Filipe Menezes em Gaia até representantes do aparelho do CDS (e certamente do PS). Para não falar da equipa de vereadores com pelouros atribuídos, que junta ex-vereadores de Rui Rio a um vereador eleito pela lista opositora de Menezes.

Não concordo com Manuel Pizarro quando este acusa José Luís Carneiro de ter uma visão sectária e estreita. Carneiro projecta o futuro do PS no município portuense e, se calhar, pensa em algumas das questões que aqui mencionei, sem as verbalizar. A cidade está melhor hoje do que estava com Rui Rio? Com certeza. Mas confesso que me dou mal com falsos unanimismos, com a ausência de um escrutínio sério e isento e com a falta de oposição firme a quem está no poder. O que é um problema para quem vai, pela primeira vez, votar em eleições autárquicas no município do Porto...