Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

06
Out17

Acertos de contas no PSD e no PS

José Carlos Pereira

Embora em diferentes escalas, as eleições autárquicas começam a produzir efeitos nos dois principais partidos. O anúncio de Pedro Passos Coelho de que não se recandidataria ao cargo de presidente do PSD abriu um processo que vai ser curioso de acompanhar. Rui Rio tem dado todos os sinais de que vai avançar e o caminho que percorreu até aqui não lhe permitia outra saída. Ou era agora ou nunca mais seria. Contudo, Rio não terá uma passadeira vermelha à sua espera, como alguns alvitrariam. Não faltam nomes lançados para um combate que se antecipa muito duro. Paulo Rangel e Pedro Santana Lopes já verificam apoios e, após Luís Montenegro ter renunciado à corrida, resguardando-se para mais tarde, ainda poderá surgir algum candidato mais alinhado com a herança de Passos Coelho.

Antes da escolha de nomes para a liderança, porém, o PSD precisa de reflectir seriamente sobre o caminho que pretende seguir. Passos Coelho encostou o partido demasiado à direita com as políticas económicas liberais que adoptou no governo e defendeu na oposição e, a meu ver, o PSD deve procurar crescer para o centro, que tem deixado à mercê do PS. O PSD ocupou todo o espaço do centro-direita quando conseguiu anular  o CDS, mas neste momento o CDS está fortalecido e pode afirmar que o voto útil à direita deixou de fazer sentido. Depois do processo que conduziu à actual solução governativa, tornou-se claro que o centro-direita só voltará ao poder com uma coligação abrangente e isso permite ao CDS bater-se pelas suas ideias e pela afirmação do seu espaço político.

O perfil autoritário de Rui Rio, a sua difícil relação com certa imprensa e a sua intolerância à crítica, como se viu no período em que foi presidente da Câmara do Porto, não creio que façam dele o nome providencial para a recuperação eleitoral do PSD. Além disso, a permanente defesa da regeneração do sistema político, fazendo lembrar o discurso de Alberto João Jardim em outros tempos, não me é particularmente cara. Nos próximos dois meses as hostes social-democratas vão estar animadas e não faltarão motivos de interesse para acompanhar a vida do PSD.

O PS, vitorioso em quase toda a linha nas autárquicas, tem mais uma vez no Porto um foco de tensão. Manuel Pizarro, líder da distrital socialista, sobreviveu ao desastrado processo eleitoral na cidade do Porto, mas não falta quem lhe atribua culpas pela forma como se deixou seduzir pelo poder de Rui Moreira, para depois ser descartado e ter de inventar uma candidatura do PS em cima da hora, derrotada de forma clara. Com o PS fora do executivo, serão mais uns lugares que o aparelho perde e isso tem sempre reflexos na hora da avaliação dos resultados. Creio, no entanto, que as conquistas alcançadas pelo PS em Matosinhos, Paredes, Marco de Canaveses e Felgueiras, neste caso em coligação, serão suficientes para segurar a sua liderança distrital, apesar das derrotas no Porto e em Vila do Conde, município onde as culpas recaem quase em exclusivo sobre a estrutura concelhia liderada pelo ex-presidente da Câmara Mário Almeida.

Todavia, o facto de Manuel Pizarro ter eventualmente condições para continuar à presidir à Federação Distrital não quer dizer que essa solução esteja isenta de críticas, pois são muitos os militantes e eleitores socialistas que não se revêem na forma como conduziu vários dos processos eleitorais, a começar pelo Porto, que tantas vezes critiquei aqui, e que defendem uma maior projecção da liderança socialista local na defesa de políticas de desenvolvimento para o distrito e a região metropolitana.