Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

13
Mai17

Au bonheur des dames 424

d’Oliveira

Unknown.jpeg

Oh que semana!...

O Papa! Os pastorinhos! O quarto pastorinho que exerce de Presidente da República e de modelo para selfies! Isto vai ser um regabofe de piedade ultramontana e peregrina. Mesmo estimando bastante Francisco I, um Papa vindo do outro lado do mar e, provavelmente, do outro lado da Igreja, educado na disciplina intelectual da Companhia de Jesus, herdeiro da tradição de uma Ordem que, mais do que qualquer outra, foi alvo contínuo de admiração intensa e de perseguição sem quartel, vou ouvir até à exaustão (até ficar surdo?...) o relato das suas 23 horas em Portugal, capital Cova da Iria. Os jornais e as televisões andam desde há dias numa sarabanda noticiosa onde tudo, mas tudo, é contado, recontado, requentado. Ele são as caminhadas dos peregrinos que juram a pés juntos que “o caminho” é uma experiência imorredoira (isto lembra-me as histórias do “caminho de Santiago”, bem descrita naquele admirável “codex calistinus” de que não se arranja facsimil decente e a preço honrado), as obras no santuário (raras vezes se conseguiu arquitectura tão trivial, tão desconsolada. Agora até há um terço gigante, cópia, julgo, de um outro existente na América do Sul...

A pátria está comovida e em estado de sítio, fronteiras semi-fechadas, milhares de polícias e similares de prevenção, um feriado na sexta (hoje mesmo se o Papa só chega lá para a tardinha) para que a lusitana gente possa consagrar-se desde matinas até vésperas à oração, ao cilício e ao jejum.

Vamos ter Fátima à fartazana. Isto só acabará com o “tetra” que sempre fugiu ao Benfica. Desta feita, os pastorinhos, finalmente santos, darão essa alegria à torcida encarnada.

 

Para trás, ficam os desastres do Porto, ou seja, a defenestração do PS. Nunca compreendi que um partido com a dimensão deste não concorresse à Câmara. A menos que, nas hostes do dr. Pizarro reinasse a convicção (nada absurda, por acaso) de que Rui Moreira tinha a eleição no papo. Mesmo assim, havia precedentes: o PS arrolou contra o imbatível Rui Rio Francisco de Assis e Elisa Ferreira que sabiam o desagradável destino que os aguardava (derrotas severas, claro).

A futura disputa eleitoral vai ser curiosa: Moreira elogia Pizarro (beijo da morte?), este responde no mesmo tom. Que plataforma eleitoral irá o PS apresentar que o distinga claramente da “situação” camarária em que durante quatro anos se empenhou? A Moreira basta prometer mais do mesmo, mas para o PS parece necessária uma violenta epifania coisa que provavelmente estará na cabeça do dr. Costa que, também, peregrinará com a conhecida unção a Fátima. (a drª Ana Catarina Mendes talvez vá mas terá de fazer o percurso de joelhos para ver se aprende que à política também se aplica a expressão “muita cautela e caldos de galinha”. Que lhe aproveite! ).

Dos restantes candidatos pouco há a dizer. O PSD apresenta um desconhecido enquanto BE e PC recorrem a duas figuras já conhecidas e, aliás, um tanto ou quanto usadas. Vê-se que a imaginação e a renovação começam a rarear nesta banda. Nada de novo a leste.

 

O terceiro mistério gozoso deste rosário (Fátima oblige) é a reconciliação Porto Sporting. Não há nada como perder campeonatos para juntar os derrotados numa aliança sem futuro. Haverá alguma coisa comum a estas duas instituições (tirante o facto de jogarem à bola)? O Sporting é mais um clube de Lisboa (onde também coexistem o Benfica, o Atlético, o Oriental e até o Belenenses. O Porto é o arauto da cidade mesmo se, provavelmente terá nela menos adeptos do que nas imediatas cercanias. O Boavista nunca lhe disputou o lugar mesmo no tempo fantasioso dos Loureiros, pai & filho. Porventura, nos anos 40, o Porto teria no Sporting dos cinco violinos o verdadeiro adversário lisboeta e “centralista”. Mas isso foi há gerações e, de facto, o seu único adversário, aquele que conta, aquele que coloca as claques fanatizadas em pé de guerra, é o Benfica. O Sporting, para o Porto e para a opinião pública é um clube com vocaçãoo de terceiro lugar, ou seja, não existe. Fazerem as pazes ou zangarem-se, restabelecerem relações institucionais é, para o universo dos adeptos e da paisanagem que, como eu, nada tem a ver com eastes cavalheiros, zero, menos do que zero. Mesmo para este sofrido e infiel adepto da Naval 1º de Maio, isto é uma não-notícia cuja duvidosa utilidade é só esta: entrar na crónica de hoje e fazer-nos rir.

Acabemos a litania com Costa. De quando em quando, o homem tem boas saídas. João Miguel Tavares, cronista do Público tinha criticado a “tolerância de ponto” que lhe punha os filhos (quatro!, que coragem!) em casa quando ele e a mulher tinham imperiosamente afazeres profissionais. Na crónica, propunha Tavares, que Costa lhe tomasse conta dos miúdos já que lhe (JMT) parecia difícil obter um emprego de curta duração na função pública. E não é que Costa aceitou cuidar das crianças! Tavares, ele mesmo, informou o jornal e até terá publicado uma fotografia dos meninos em S Bento. De vez em quando assistimos a estas trocas civilizadas e pensamos que isto é outro país. Bem jogado, dr. Costa (e bem jogado também, JMT.)

Era para acabar mas afinal ainda há mais: em França, os primeiros candidatos de Macron são classificados assim, dois terços à esquerda e os dois sextos restantes igualmente divididos por direita e centro. convém notar que são apenas os primeiros e que ainda falta muita gente. Um segundo ponto: o movimento “en marche” não apresentará candidato contra Manuel Valls, situação que se repete em relação a alguns candidatos do grupo de Jupée. Mas não aceitaram Valls, o imprudente, nas suas listas, o que também diz bastante.

O terceiro ponto desta investida além Pirinéus, é a verificação de uma vergonhosa campanha contra Brigitte Macron, mulher do Presidente. Parece que o facto de ser 24 anos mais velha que o marido, de ser inteligente e, ao que se diz, apaixonada pelo marido – e ele por ela- assenta mal nos pergaminhos de uma República em que os presidentes traem as respectivas, andam escondidos em aventuras amorosas ou como o imortal Félix Faure, morto no “campo da honra” ou seja nos braços da amante em pleno Eliseu.

Finalmente, prosseguindo na sua cruzada contra a reacção, o capitalismo, o imperialismo, o cosmopolitismo, etc., etc.., o senhor Mélenchon entendeu viajar até Marselha para se candidatar a deputado. Em Marselha, no círculo em que o admirador de Maduro concorre, há um deputado eleito do Partido Socialista que agora vê a sua candidatura mais ameaçada. Já agora, recordemos que, na passada eleição legislativa, Mélenchon foi fragorosamente derrotado no Pas de Calais por Marine Le Pen e pelo candidato do PS. Agora, à cautela, tenta Marselha no extremo oposto da França... Assim vai o mundo...

Finis, laus Deo.

* Na gravura: António Costa recebe os filhos de JM Tavares em S Bento. Chapeau!