Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

28
Mai14

Mudar o PS para mudar o país

JSC

Como é óbvio, a dimensão da crise impunha que o PS, sem grande esforço, conseguisse uma votação memorável. Não foi assim. E não foi assim porque poucos acreditavam no líder do PS e, por muito que ele se esforçasse, nunca iria conseguir dar a volta à imagem que as pessoas têm dele. Até pode ser injusto, mas a realidade é o que é. Verdade é que a comunicação social, manipulada ou não, inculcou a ideia de que Seguro e Passos são a mesma coisa. A verdade é que (mesmo que isto seja mentira) os votantes compraram esta ideia, razão para se ouvir, por todo o lado, que Seguro não é alternativa, porque não vale mais do que Passos e que se fosse governo faria o mesmo.

 

Esta ideia fez o seu caminho no tempo em que Seguro desapareceu da cena política, à espera que o tempo passasse. Vieram as eleições. Primeiro as autárquicas, que o PS ganhou. Ganhou mas com uma votação muito fraca, tão fraca que logo começaram a aparecer as vozes sorrateiras a sugerir a mudança de líder. A coisa só não foi mais longe porque as eleições europeias vinham logo a seguir. Não dava tempo para movimentações internas.

 

O PS voltou a ganhar novas eleições, razão para alguns agitarem bandeiras de vitória. Só que, mais uma vez, a vitória do PS foi uma vitória escassa, muito escassa, tão escassa que logo se percebeu que não se pode cavalgar para o poder com vitórias deste jaez.

 

Com um governo tão comprometido no negócio de empobrecer o país enquanto enriquece a minoria que o sustenta, o povo está preparado para entregar o poder a alguém em quem confie. Só que o povo não confia no Seguro. Aceito que o povo nem tenha razões para tanto, só que a coisa está neste pé. Pena é que Seguro e mais uns tantos notáveis não racionalizem melhor o sentido das “duas vitórias eleitorais”, da “legitimidade” (incontestável) que reconhecem ao líder, dos Estatutos enquanto solução para um problema de liderança. Pelo contrário, Seguro prestaria um grande serviço ao PS e ao país se deixasse o sentir do povo fluir e permitisse que o PS começasse a mudar por dentro, para pode mudar o país. Seguro sairia engrandecido, colocaria o interesse do PS e do país acima de tudo e, com grande certeza, ficaria com as portas abertas para voltar a liderar o PS.