Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

16
Out17

Au bonheur des dames 430

mcr

images.jpeg

 

Algumas perguntas inocentes

 

As leitoras e os leitores recordarão, espero-o bem, que nunca me pronunciei pela culpabilidade do sr. José sócrates. Apenas, e de raspão, referi que até ao fim do julgamento, qualquer acusado se presume inocente.

Claro que isto, esta pública posição, não me retira o direito de pensar dele o que muito bem entenda. Jurista de formação e democrata desde sempre ou, pelo menos há cerca de 60 anos (presumindo que, depois dos 15/16, já saberia o que queria (coisa que não era difícil nos ásperos tempos em que vivi a adolescência e os primeiros anos de adulto) e, sobretudo o que não queria.

Também recordarão que pouco, quase nada, me durou a ilusão de que o sr. José Sócrates era um estadista. Pareceu sê-lo quando o comparávamos com o dr. Santana Lopes (que agora, reciclado e com menos cabelo, regressa às lides amparado pela amnésia colectiva nacional – de que Sócrates também largamente beneficia.

Aqui mesmo, poucos meses, um ano talvez, após a sua tomada de posse, já eu começava a duvidar da razoabilidade da sua governação. Essa crescente dúvida transformou-se em inexorável certeza durante o segundo e medonho mandato da criatura. A arrogância, a incultura, o autoritarismo e, sobretudo, o autismo político ultrapassaram tudo o que se poderia esperar.

Todavia, mesmo depois de ter sido varrido do poder, mantive o mesmo propósito: não julgar senão politicamente um homem que já não estava (bem pelo contrário!) acima de qualquer suspeita. Os “casos” já eram mais que muitos desde o “Freeport” até aos exames ao domingo, à licenciatura, ao seu teor de vida. Depois foi Paris. Aí este cavalheiro pretendia tirar um qualquer curso e estudar imenso não se sabe bem o quê. Dessa passagem ficámos a conhecer – de fora – a casa onde vivia. No XVI bairro, se faz favor. Na zona mais cara de Paris, para quem não saiba. E os restaurantes onde iria. Restaurantes, digo, nada de bistrots, nada de baratezas. E por aí fora. Maravilhavam-se os portugueses com aquele trem de vida que, por baixo, bem por baixo, rondaria os 10.000 euros mês. É que se sabia, graças a declarações do próprio que ele “apenas” auferia uma pensão que não chegava a sequer um terço do que obrigatoriamente gastava só em alojamento e alimentação.

Depois soube-se, para ainda maior surpresa (os milagres nunca aparecem sós), que havia um amigo que lhe emprestara um forte soma, ao mesmo tempo, que lhe cedia gratuitamente o belíssimo apartamento onde vivia.

E que esse amigo havia de repetir o magnânimo gesto vezes sem conta, chegando mesmo a comprar imóveis à mãe dele. Mesmo assim, os maldosos incrédulos não acreditavam. Amigos destes, que entregam (como depois foi confirmado pelo próprio) somas muito importantes sempre em dinheiro, sem um papel (o sr. José Sócrates não sabe, como confirmou publicamente, quanto dinheiro ainda deve. As contas certas serão com o generoso Silva.

Depois de regressar e ser preso, o sr. José Sócrates vendeu um caríssimo apartamento onde vivia em Lisboa e com esse dinheiro terá pago parte da dívida ao tal Silva. E alugou outro apartamento, desta feita no Parque das Nações, cuja renda não será (ou será pouco) inferior à sua pensão.

Como é que sobrevive ´um mistério. Será que como as tribos de Israel, o Senhor Deus dos Exércitos, lhe manda diariamente o maná dos céus. E passes para os transportes? E um anjo para guarda de corpo? Terá sido a Senhora dos Aflitos quem comprou os milhares de exemplares do livrinho que se lhe atribui e que ele, a bomba y a platillo, diz duas larachas vagamente sarapintadas de filosofia política?

Eu, oficialmente, não sei nada da corrupção das três dezenas de crimes de que o acusam, das dezenas de milhões que lhe terão caído no bolso distraído, das traficâncias com duas dezenas de criaturas que constam do mesmo processo. Nada. O Tribunal há-de decidir mesmo se, como prevejo, com algum desapontado realismo, eu já não assista ao desenlace. Tal processo durará presumivelmente uma boa dezena de anos e mesmo gozando eu de razoável saúde a coisa atira-me para lá dos oitenta e cinco anos.

Portanto, mesmo sem julgar a criatura, tenho sobre ele esta tremenda primeira opinião: donde lhe vêm os meios, o cacau, o pilim, a massaroca, para viver como vive?

Não sei onde é que há fogo, mas o fumo, ai o fumo, é intenso. Espesso, contínuo, intoxicante.  

Quando um jornalista (TV1) lhe perguntou qualquer coisa relacionada com isto, o sr. José Sócrates explodiu. enfim, enfureceu-se, zangou-se, amuou. Que não admitia aquele género de jornalismo! que aquilo parecia encomendado pelo “correio da manhã” (coisa que não pude comprovar porque, como aliás faço com o mesureiro “diário de notícias”, não frequento o dito jornal.

Lembremos que aquilo era uma entrevista, não uma missa de casamento, um te deum à glória do ex-primeiro ministro. Ele não era obrigado a ir.

Se queria aplausos, guardava-se para o lançamento do seu segundo best-seller que ocorreu no Porto, numa sala cheia de amigos do peito (reconheci entre divertido e espantado, alguns daqueles que daqui a dias, meses, anos irão antecipar-se ao terceiro canto do galo) e de uma berrata que uivava qualquer coisa como Sócrates amigo o povo está contigo.

Daqui, desta esplanada onde escrevo, há um quarteirão de criaturas que, pelo que ouço, ou não são povo ou não estão com ele. Noutros lugares (sempre detestáveis e maldosos) por onde tenho passado repete-se este mesmo feio cenário: Povo ausente, público maledicente. Decididamente há dois Portugais...  

11
Out17

Au bonheur des dames 429

mcr

AD00121.jpg

uma farsa ou

um passo em frente, dois atrás

 

(lembrando e abraçando Montse, Margarita, Ferran, Eugeni e Xavier, amigos inolvidáveis)

 

Nunca dei nada pelo senhor Carles Puigdemont. Se fosse vendedor de automóveis nem uma trotineta lhe compraria. fosse por que preço fosse!

O homenzinho tem o ar, a postura e o discurso de alguém profundamente perturbado. E só um perturbado (a menos que seja um imbecil) é que proclama a independência e logo, de seguida, a suspende.  Suspende o quê? A proclamação? A independência? No primeiro caso escusava de vir ao Parlamente. No segundo, inventou uma nova ideia de independência, uma coisa que hoje há e que amanhã não ou vice versa e assim sucessivamente.

Saberá este pobre diabo o que é que significa independência? Saberão os que o ouviram e bateram palminhas? Anda toda esta gente a jogar ao chinquilho, à macaca ou aos quatro cantinhos?

Mas há mais e mais surpreendente. Tomando, uma vez sem exemplo, a sério a declaração e sabendo-se o que toda a gente sabe, que valor se pode dar à ideia de tentar um diálogo através da suspensão (se é que tal coisa tem significado, valor jurídico, efeitos políticos)?

O pateta (e estou a medir as minhas palavras por consideração pelos meus velhos amigos catalães) pensa que convence alguém? Sobretudo, que convence o Governo espanhol, sequer os membros menos estouvados do Parlament, os cidadãos catalães (incluindo os independentistas) ?

Não se dá conta da tontaria, melhor, da estupidez, da improbabilidade da sua proposta?

Então, depois de duas leis contrárias à Constituição, votadas por uma unha negra (o bloco constitucional tem praticamente os mesmos deputados mesmo se, como se sabe tenha tido mais votos -52 contra 48%) vem agora com este artifício de pé quebrado, esta tentativa de fuga à responsabilidade, tentar encurralar um Governo que já tinha obtido várias vitórias (apoio da Europa, apoio de uma fortíssima – e provavelmente maioritária- opinião pública catalã, apoio de bancos e empresas que rapidamente se transferiram para locais menos perigosos do que a Catalunha (o mesmo sucedendo a clientes que, aos milhares, abrem contas fora do território. em menos de uma semana, a Catalunha pode já contabilizar uma forte descida nos impostos a cobrar, uma perda clara de riqueza que tornará a vida mais difícil para os catalães e para quem os governar seja uma restaurada Generalitat da autonomia, seja um governo republicano.

A única explicação (que ultrapasse o diagnóstico de idiotia profunda e incurável) estará, como já se vai dizendo, na procura de confrontos violentos, de mártires para a causa, de mortos, até. Todavia, a propalada violência policial traduziu-se em quatro feridos ligeiros e nem todos oriundos da causa independentista.

Estamos perante uma farsa que só não é absolutamente ridícula porque poderá ter algumas consequências trágicas. A população “constitucional” que andava calada e cozida às paredes no temor de represálias (e as ameaças tinham sido constantes nos últimos tempos) resolveu sair para a rua. Encheu-a tanto quanto os partidários de Puigdemont, percebeu, ela também, a sua força e é duvidoso que doravante se cale.

Os independentistas desejavam o confronto com “Madrid”, agora parece que terão de enfrentar outra Barcelona, outra Catalunha, para não falar no resto de Espanha. Os independentistas (radicais, anarquistas. direita xenófoba, bem pensantes e outros inocentes úteis) apostavam na estratégia da tensão (coisa que de resto não é nova na Europa e que já deu maus resultados noutros países e noutras alturas), não perceberam que, mesmo em Euzkadi, onde a ETA e os seus satélites tinham colonizado a sociedade (colonizado no sentido mais duro e abrangente do termo) tinham reduzido ao silêncio os seus adversários que se viram obrigados a fugir para não morrerem com a famosa bala na nuca (e foram muitos como se lembrarão os mais interessados), tal estratégia tinha falhado redondamente, Demorou trinta e muitos anos, quase mil mortos, outros tantos presos, milhares de emigrados (por todos Fernando Savater) até chegar ao ponto actual. Não é por acaso que os independentistas bascos não se mexeram ou mexeram-se tão pouco que vem a dar no mesmo.

A Europa, com tudo o que tem de imperfeito, é o melhor que se fez depois da guerra. A Europa de cá, a que se foi pacientemente construindo desde a Comunidade do Carvão e do Aço até hoje. É essa Europa um dos alvos da CUP e de várias organizações satélites que, todavia pretendem os seus benefícios sem as suas condições. Sabem, demasiadamente o sabem, que fora disso, é a pobreza que espreita. Seriam as indústrias que desertariam, o desemprego que cresceria exponencialmente, falto de investimento. Até o turismo (e mesmo aí Barcelona não dá grandes sinais de perceber o fenómeno) sofreria e não pouco. Quem é que vai passear-se para zonas de incerteza?

 

Outros amigos meus, desta feita galegos, caracterizavam Rajoy: é como muitos galegos um tipo que mesmo dentro de um elevador não diz se está a subir ou a descer.

Porém, neste conflito, mesmo que se possa apontar-lhe erros (e não foram poucos, sobretudo os derivados de uma total intransigência que, entretanto, também era de antemão conhecida e esperada) como é que Puigdemont o vem desafiar (independência e república) e acto contínuo exigir um diálogo? Com prazo e tudo (poucas semanas)!

Eu estaria para aqui a rir-me que nem um cabinda não fosse gostar da Catalunha, dos seus poetas, dos seus artistas (mas não de Gaudi!...), ter lá amigos, uma antiga namorada, das praias (ai as praias...) da comida e, vejam lá, da língua que compreendo bem (até já traduzi dois livros do catalão) que falo patrioticamente muito mal mas que tem sons belíssimos e me fazem pensar no que deveria ser o provençal, idioma de trovadores (e de heréticos...).

Mas isto, esta palhaçada, esta vergonha parece-me demais. Quando, por cá, um político se demitiu irrevogavelmente, saindo por uma porta para entrar pela janela, eu, que nada tenho a ver com ele, com o partido dele, com o governo dele, senti vergonha. Por Portugal. Bem sei que temos cá de tudo mas mesmo assim não me conformo com as aberrações. Neste momento, peninsular, ibérico, europeu, que sou volto a estar envergonhado. A Europa, alguma Europa nortista e altaneira lá estará a dizer baixinho e escarninhamente: Estão a ver como aquela gente é? São do Sul, está tudo dito. Bebem vinho, consomem azeite, gostam de peixe, são maioritariamente católicos, igualmente pecadores (ai o jeito que a Confissão dá...), gozam a vida e à falta de disciplina são, pelo menos inventivos”.

Envergonho-me pela vergonha dos meus amigos acima citados. E dói-me esta triste maneira de dar razão a um famoso prócere da Direita espanhola, assassinado pela polícia da República nas vésperas da Guerra Civil, Calvo Sotelo que afirmava: España antes roja que rota.

E não me conformo.

* na gravura: uma composição de Jordi Cuixart 

27
Set17

au bonheur des dames 427

mcr

images.jpeg

 

Palminhas para o 4º pastorinho e silêncio para Portugal

 

mcr 27.09.17

 

A cerimónia de posse do novo Presidente de Angola ocorreu ontem. Curiosamente

a posse verifica-se mesmo antes de publicados oficialmente os resultados eleitorais. Parece que tal publicação será apenas um pormenor mesmo se tal situação dê azo às maiores dúvidas, para não falar de suspeitas.

É como se a eleição não passasse de uma mera formalidade inócua dado conhecer-se antecipadamente o vencedor. Como, aliás, se conhecia...

O Sr. Presidente da República Portuguesa esteve presente e ao que se sabe tomou banhos de mar na Ilha de Luanda, beijou criancinhas e foi muito aplaudido.

Curiosamente, a par com estas manifestações de higiene, desporto e carinho, Portugal foi olimpicamente ignorado no discurso do Sr. general Lourenço actual inquilino do Futungo de Belas (se é que será aí a sede da Presidência). A dúvida é legítima visto saber-se que o anterior presidente continua assustadoramente presente na nebulosa de poder angolano. Melhor dizendo: a criatura saiu mas não saiu. Agora, é “presidente emérito”, dotado de amplos poderes, maiores privilégios, intocável e com a família aos comandos da economia angolana.

Deixemos, porém, essa surpreendente situação e voltemos ao discurso do novo Presidente. Não vale a pena recordar que ele referiu a corrupção “que grassa no aparelho de Estado”, mandou muitos recados à juventude, como é costume, aludiu brandamente às insuficiências da liberdade de imprensa e da comunicação social (o mesmo é dizer que piedosamente fingiu assobiar para o lado) e citou trinta países importantes para Angola.

O Sr. Doutor Rebelo de Sousa não ouviu o nome do seu país referido pelo seu homónimo angolano. E não ouviu porque obviamente o poder angolano não gosta de Portugal mesmo se este é o seu maior parceiro comercial e o país que tem a maior colónia estrangeira em Angola. Também é o país onde a elite angolana vem fazer compras, tratar da saúde, evadir os capitais e entrar no capital de grandes empresas, bancos incluídos.

Num discurso escrito isto não foi um acaso muito menos uma distração. Foi algo propositado, lançado à cara do convidado Rebelo de Sousa e, por interposta televisão, a Portugal.

Os cavalheiros angolanos têm uma pedra no sapato contra a antiga metrópole. E curiosamente é o MPLA quem mais carrega nas tintas. O mesmo MPLA que foi levado ao colo pelas autoridades portuguesas no difícil período da transição. Sem o empenho de governantes e militares portugueses, o MPLA dificilmente teria sobrevivido tanto mais que a providencial e salvadora (absolutamente salvadora) ajuda cubana ainda não tinha chegado. O MPLA está onde está graças às autoridades portuguesas no território depois do 25 de Abril que tudo fizeram para o fortalecer e defender da FNLA e da UNITA.

Mesmo assim, é o que se vê. Trinta países 2importantes”, “amigos”, parceiros. E um ausente mesmo se lá estava a fazer não sei bem que papel o Sr. Presidente Rebelo de Sousa. Provavelmente estaria a fazer as vezes de comissário das bandeiras azuis provando com o seu crawl impecável que a praia de Luanda merece tal distinção. Ou para fingir que joga basquetebol como, desastradamente, provou num raro momento desportivo do noticiário.

Outro que nanja eu, diria que Rebelo de Sousa foi a Angola apanhar bonés. Não digo tanto por respeito. Foi aumentar a sua colecção de selfies e de beijinhos às criancinhas luandenses. Enquanto Lourenço falava da juventude, Marcelo amparava a infância.

Um jornal afirma que o Presidente português foi alvo de uma grande ovação (eventualmente a maior!...). Modestamente, o Doutor Rebelo de Sousa recusou ser o alvo das palminhas dizendo que a ovação foi para Portugal. Acredita mesmo nisso ou estamos, como de costume, perante mais um caso de visão celestial do 4º Pastorinho?  

15
Set17

Au bonheur des dames 420

d'oliveira

images.jpeg

 

Escrever à Sr.ª Aung San Suu Kyi

 

(mcr  15.09.17)

 

Se valesse a pena, escreveria a esta Senhora por cuja liberdade, tantos e tantos de nós se bateram. Durante anos a fio, fomo-la recordando, ao mesmo tempo que condenávamos a Junta de generais birmaneses que a reduzia à prisão em casa.

Valeu a pena? Claro que valeu. A liberdade mesmo de uma só pessoa é sempre melhor do que a privação dela.

Esperávamos algo em troca? Pela parte que me toca, bastava-me a ideia de que, uma vez livre, Suu Kyi conseguisse trazer a democracia ao seu povo. E a democracia significa, desde logo, liberdade, igualdade de oportunidades, respeito pelos direitos humanos, pelas crenças legítimas de todos.

Já, no tempo obscuro em que Suu Kyi estava prisioneira em sua própria casa, se falava de uma minoria muçulmana, distante e perdida nos limites do país, os Rohingya. Eram também os mais afastados do progresso que eventualmente poderia cair sobre os habitantes, os mais mal servidos em conforto, assistência, habitação se é que na Birmânia/Myamar se pode falar disso.

Não se esperava de budistas piedosos uma tão grande aversão e um tal desprezo por compatriotas que não ameaçavam nada nem ninguém e que, por junto, estavam unidos pela religião muçulmana, situação absolutamente espectável numa região que está paredes meias com o Bangladesh, também ele muçulmano. E miserável, acrescente-se.

Desde a libertação de Suu Kyi e da vitória eleitoral do seu partido, do acordo celebrado entre os seus adeptos e os militares, não só os Rohingya não viram melhorada a sua situação mas, pelo contrário, viram a repressão abater-se sobre as suas paupérrimas e longínquas aldeias.

Foi essa a origem duma incipiente e frágil revolta de gente inerme e praticamente desarmada. Gente que, ainda por cima, estava longe de tudo e, pelos vistos, até de Deus seja ele qual for.

Não é caso único. Há cinquenta ou sessenta anos que se fala do Darfur, do Sul do Sudão, das profundezas do Congo ex-belga. Ou da minoria berbere. Ou de curdos perseguidos e dizimados pela Turquia, pelo Irão, pelo Iraque e pela Síria. Ou das minorias muçulmanas nos confins da China. E por aí fora.

Tem todos em comum a miséria, o facto de serem minorias étnicas, linguísticas ou religiosas e, sempre, pobres e isolados. E sem voz. E sem representação nos governos dos países onde mal sobrevivem. Os do costume. Os verdadeiros “condenados da terra”, que Fanon me perdoe.

Sei bem, mais que bem, que um blog é só um blog. Que não influencia ninguém ou, na melhor das hipóteses um punhado de leitores, tão inermes quanto quem estas linhas vai traçando. Todavia, o silêncio é ainda pior. Pior até que a indiferença porquanto quem silencia sabe o que se passa quando a maior parte das vezes o indiferente ou não sabe, ou não percebe.

Receio, porém, que não valha a pena escrever à Sr.ª Suu Kyi. Alguns dos seus súbitos defensores afirmam que o silêncio dela tem um motivo: defender a frágil convivência semi-democrática que se vive em Rangun. Navegar entre o escolho dos militares e a multidão budista que sofreu anos de opressão.

Todavia, isto, mesmo se fosse assim, tem um preço. E esse é a morte, a expulsão dos Rohingya e a repressão que sobre eles se exerce impiedosa e brutal. É uma falsa e má contabilidade. E uma desculpa, que me perdoem os defensores de Suu Kyi (que, à cautela, não irá à Assembleia Geral da ONU) que nada resolve, tudo agrava e destrói uma biografia.  

 

 

04
Set17

au bonheur des dames 419

d'oliveira

Unknown.jpeg

a história como "eles" a contam

 

(mcr 4-09.17)

 

A “tv memória” (ou algo com um nome semelhante) tem ocupado o Verão a transmitir uma versão “aligeirada” (demasiado aligeirada, mesmo) da história recente em que avulta uma espécie de hagiografia da 1ª República. Aquilo, mesmo descontando o tom enternecido com que se olha para aquele período histórico, é fraquinho cientificamente para não falar na pobreza franciscana da realização.

Desta feita, voltou à baila a Dr.ª Carolina Beatriz Ângelo, uma das primeiras médicas formadas em Portugal no que viria a ser a futura Faculdade de Medicina de Lisboa.

Beatriz Ângelo foi uma ardente e respeitada sufragista, republicana e admiradora de Afonso Costa de quem ela dizia ser “uma das poucas pessoas de valia no PRP”. Tendo enviuvado cedo, tornou-se chefe de família e foi nessa qualidade que tentou e conseguiu votar nas primeiras eleições realizadas pelo novo regime (1911, se não estou em erro). Conviria reparar que em tais eleições não só não estava reconhecido o direito de voto das mulheres, 1ª causa das republicanas portuguesas, como também se assistiu a uma gigantesca contração do corpo eleitoral, truque usado para permitir que o republicanismo vitorioso nas ruas de Lisboa não fosse derrotado pelos eleitores da “província” “reféns”, como se arguia, do clericalismo e dos cacique monárquicos. Com um segundo pormenor anedótico: onde só houvesse uma lista (a republicana) nem havia a maçada de ir a votos.

Para votar, a dr.ª Beatriz Ângelo teve de recorrer de uma primeira recusa e, mesmo em plena sala de voto, ainda se lhe levantaram dificuldades. Convém relembrar a famosa e inovadora sentença do juiz João Baptista de Castro que contundentemente declarava a exclusão das mulheres como ilegal e absolutamente injusta, mandando em consequência que se inscreve nos cadernos eleitorais o nome de Beatriz.

Teria sido bonito (e justo) relembrar este digníssimo juiz cuja sentença correu meia Europa pelo que tinha de inteligente e de progressivo. Mas não: os tolos, para alevantar Beatriz, ocultaram João Baptista!

Posteriormente, não só o seu voto foi anulado pelo Congresso da República mas saiu legislação a proibir expressamente o voto das mulheres. Parece que a elite republicana temia que a Igreja influenciasse estas e derrotasse a “justa causa” da liberdade e da fraternidade.

Seria apenas com o negregado dr. Salazar que as mulheres alcançariam o estatuto de eleitoras e elegíveis para a Assembleia Nacional. A coisa terá ocorrido nos anos trinta, vinte e tal anos depois do gesto de Beatriz.

Salazar, pressentia que o género feminino escolheria a opção conservadora, a “ordem”, a tradição e a respeitabilidade.

(aliás, recordo, sem emoção, que, ainda nos meus tempos de estudante em Coimbra, se atribuía às “raparigas” nossas colegas um facataz pela Direita que, na verdade, nunca se verificou, pelo menos de forma especialmente ameaçadora. No fundo, a ideia que primava era a de que as mulheres tinham uma fraca sensibilidade política e, sobretudo, eram profundamente influenciáveis por pais, maridos, familiares, padres e sei lá quem mais. E eram mulheres...

Voltando às nossas devoções: evocar Beatriz Ângelo e o seu voto sem, depois, contar o resto da história que é bem mais importante do que o gesto inicial é na melhor das hipóteses uma grave omissão e na pior uma clara falsificação da História. Inclino-me para este segundo caso dado o tom geral dos documentários produzidos in illo tempore sobre a !ª República de que, aliás, são um pobre e triste exemplo as séries dedicadas aos primeiros presidentes da República também eles apresentados em perfil angélico e, sobretudo, baço no que toca a questões essenciais. Não se chega a perceber o que é que distinguiu Arriaga, Teófilo Braga ou Bernardino Machado dos seus amigos e adversários. Alguém me dizia: não te preocupes, aquilo são filmes para consumo das massas e só passam à hora das novelas, ou seja, acabam por ser invisíveis e de pouca mossa.

De certo modo, o meu interlocutor tinha razão: só um velho chato e rezingão, eu, é que se dá ao trabalho de se indignar com esta história alegre e simplificada de Portugal.

 

* em tempo: Carolina Beatriz Ângelo começou a sua carreira de médica em 1903 e a política em 1907 vindo a morrer em 1913. É pouco tempo para se falar de uma carreira política, mesmo se ela fez parte do primeiro grupo de mulheres republicanas. A ideia que fica, sem desprimor para a sua coragem e determinação, é a de um exemplo que não teve tempo para frutificar e deixar obra.

 

24
Ago17

au bonheur des dames 418

d'oliveira

Unknown.jpeg

 

 

De Espanha, bom vento

(mcr 24 Ago.17)

 

Leio no jornal que de Espanha vieram para Portugal mais de 500 militares e cerca de vinte aeronaves para combater os fogos.

E que esses militares, altamente treinados, andam por cá há dois meses. Que, logo que chegam aos locais onde são necessários se colocam às ordens dos bombeiros locais ou de quem superintende no combate às chamas.

Com eles terão vindo 128 veículos de combate a fogos

E que os meios aéreos (vinte) já fizeram mais de 1800 (mil e oitocentas) descargas no imenso braseiro em que o país está convertido.

Finalmente, que o tempo de voo destes aviões e helicópteros já ultrapassa as 525 horas.

No meio disto tudo, que é muito, que é extremamente generoso e solidário, que é profundamente europeu, há uns parlamentares (ou para lamentar(es)?) que manifestaram surpresa(!!!) e que terão declarado que há militares portugueses desagradados.

Uma pessoa lê e não acredita. Então há gente, e não pouca, competente que vem ajudar e aparecem uns imbecis que se queixam? Que se indignam? Que estão desagradados?

Os senhores militares portugueses que ainda há bem pouco provaram que nem sequer sabem guardar os seus paióis, queixam-se da vinda de uma unidade especialmente treinada para o efeito (coisa inexistente num país que, apesar de décadas de fogo, não tem vergonhosamente um corpo militar com as mesmas competências). É obra!!!

Em que raio de terra vivemos? Que raio de gente manda aqui? Como é possível alguém ficar surpreendido com uma presença tão expressiva (e tão útil) de quem nos vem ajudar? Que diabo de Ministério da Administração Interna temos que não informa (ao menos isso, já que no resto aquilo é um poço sem fundo)da chegada dos requisitados ajudantes?

Que nacionalismo bacoco e pacóvio assola essa gentinha surpreendida, indignada, desagradada que, pelos vistos prefere ver tudo reduzido a cinzas do que salvo por mão estrangeira? E mesmo o termo estrangeiro é discutível. Estamos na União Europeia e, por mero acaso, convém recordar que só temos um vizinho, a Espanha. A menos que se conte com o senhor Neptuno e o seu cortejo de sereias, tritões e, já agora, sardinhas, mesmo se em perigo de extinção.

Traduzindo isto em poucas palavras: andam por aqui muitos parvos e mal agradecidos. E –que chatice!- são incombustíveis!

 

*o título deste folhetim reporta ao velho brocardo: de Espanha nem bom vento, nem bom casamento.

Nem sempre a sabedoria popular está adequada ao momento que se vive.

03
Ago17

Au bonheur des dames 417

d'oliveira

images-1.jpeg

India-Song.jpg

 

 

Morrer em Agosto, que desperdício!... 

 

Aos 89 anos eis que se vai Jeanne Moreau que eu tanto admirei e, mais ainda, desejei. Suponho que a vi pela primeira vez em “Eva”, um excelente filme de Joseph Losey, na altura expatriado na Europa devido à perseguição movida contra actores, argumentistas e realizadores (para não falar de escritores e outros intelectuais) levada a cabo pelo senador Mc Carthy e pelo famigerado Comité de Actividades Anti-americanas (acho que era assim que se chamava. Já agora: McCarthy acabou por ser ignominiosamente varrido da cena depois de um jornalista ter descoberto e publicado toda a infame teia de mentiras e abusos de que ele se serviu para levar a cabo a sua medonha tarefa. )

Depois vi-a em “Ascenseur pour l’echafaud” (música sublime de Miles Davis), “Jules et Jim”, e mais uns quantos, entre os quais um que persigo há anos ( Badaladas da meia noite, Orson Welles. Há por aí alguém que tenha uma cópia ou me diga como o poderei encontrar?), “Uma mulher é uma mulher” (Godard), “A noite” (Antonioni) etc...

Guardo, intacto, o enlevo pelas suas extraordinárias qualidades de actriz, pela voz (extraordinária) e pelos silêncios que diziam mais que mil palavras. Moreau nunca se limitou a um registo, antes era capaz de drama como de comédia (não sei porquê mas tenho ideia dela num filme com Darry Cowl que era divertidíssimo) como por exemplo em “Viva Maria”.

Além do mais, JM tinha carácter, personalidade, inteligência a rodos. Sabia bem o que queria (para ela e para os outros com quem se sentia solidária) e não fazia fretes ao poder.

 

Relembremos agora Sam Shepard, dramaturgo americano, autor de uma extensa obra (destaco “Crónicas Americanas”) , actor e guionista de cinema de que relembro “Paris Texas”. Venceu o Pulitzer com “Buried Child” e foi um dos mais emblemáticos nomes do teatro “off-off Broadway”. Shepard tinha uma escrita poderosa, simples e, ao mesmo tempo, poética o que lhe grangeou bastante notoriedade como “escritor de culto”, coisa que provavelmente nunca quis ser. De certo modo, foi mais aclamado fora da América do que no seu próprio país. Provavelmente, os leitores europeus fascinavam-se com a sua “americanidade” eventualmente invisível aos olhos dos seus concidadãos.

Para os dias que correm, morreu cedo vitimado pela implacável esclerose lateral hemiotrófica, um mal que não perdoa.

Ficamos, todos, (muito) mais sós.

01
Ago17

Au bonheur des dames 415

d'oliveira

Irmãos siameses

ou

os mistérios da internet segundo um ignorante atestado

(por mcr, 1/8/17)

 

Comecemos pelo princípio, como dizia um imortal professor da Faculdade de Direito de Coimbra

O imortal, aqui, é mera retórica: todos os ilustres lentes daquela vetusta universidade são imortais ou, pelo menos, assim parecem. Com dois queridos e desaparecidos amigos, atempadamente prófugos dos “Gerais”, criámos, numa noite especialmente copiosa em libações, a teoria do “professor perpétuo” que finalmente apenas consistia nisto: os cavalheiros que chegavam à cátedra estavam amaldiçoados e nunca morriam mas tão somente encarnavam sucessivamente noutros corpos e continuavam a usar a sua sanha medonha contra os inocentinhos que imprudentemente cruzavam a “porta férrea” para adquirir algumas luzes. Mais tarde, forneci ao Nuno Brederode, outra imensa saudade!, esta teoria e ele prometeu-me (em pleno café Monte Carlo) propagandeá-la naqueles extraordinários escritos que lhe admiramos. Deve, porém, ter-se esquecido ou ainda estarão sob a vaga forma – informe – de rascunho à espera de mão inteligente e piedosa que os reúna, estude e edite.

Voltemos, todavia, à vaca fria, ou seja ao princípio. E este é assim: entrei neste blog pela mão amável de um par de cavalheiros que imprudentemente acreditaram nos meus imaginários dotes literários. Não sei o que lhes deu nem como chegaram a tão bizarra conclusão mas a verdade, verdadinha, é que me convidaram a espedaçar a gramática e a lógica com uns “dazibaos” que me iam ocorrendo.

Começou assim a carreira bloguística de mcr, vai para mais de dez anos. Algum tempo depois, sussurrei à extraordinária almirante Kami(kaze) o nome do meu compadre e quase alter ego d’Oliveira, companheiro de aventuras e loucuras (e algumas agruras...) desde a nossa comum infância na praia de Buarcos, nas escolas da mesma gloriosa terra, na mata de Sotomaior e em mais de mil outras ocasiões, Caxias incluída.

Durante muitos e bons anos, lá fomos a par e passo, publicando o que nos vinha à cabeça. D’Oliveira, aconselhado por mim, adaptou a numeração dos seus textos sob um título geral comum, alegadamente para traçar uma rota reconhecível pelo menos temporalmente. Como eu, volta e meia, perdeu-se na numeração, coisa fácil de ocorrer para quem usa mais de um computador. Ou é aselhice nossa e comum, ou, de facto, nem sempre um computador diferente “entende” a numeração. Para evitar alguma piedosa piada dos leitores, ambos convimos que o defeito é nosso, absolutamente nosso.

O tempo foi decorrendo pacificamente, o blog mudou de site e, até há bem pouco, qualquer leitor poderia verificar a quem pertenciam os textos, mesmo se os já referidos títulos gerais (ou etiquetas) fossem suficientemente indicativos pelo menos para os heroicos frequentadores que ainda se atrevem a ler-nos.

Todavia, há um ou dois meses atrás, um de nós deve ter tocado por erro absoluto nalguma tecla difícil e, subitamente, o nosso ordenado mundo de fronteiras bem estabelecidas ruiu. Sem se saber como, e sem qualquer golpe de d’Oliveira tudo o que escrevíamos (e que já tínhamos escrito!!!) lhe passou a pertencer. Recorremos ao Pedro Neves, salva vidas de bloggers azarados ou ignorantes do SAPO, e e ele lá arranjou meia solução. Os textos passaram todos (!!!) a ser meus. Não o consegui convencer a criar um esquema de partilha igual ao anterior. E d’Oliveira passou a publicar “à minha boleia”. Era natural dado que a preguiça dele é muito superior à minha.

Porém, este (pouco satisfatório) estado de coisas voltou a alterar-se há alguns dias. E d’Oliveira regressou enquanto eu (mcr) desaparecia pelo cano.

Convenhamos que a coisa (“situação desesperada mas não grave” como dizia alguém) não assume uma especial importância. Nem é causa de zanga, desavença, mau humor entre dois “pobres homens de Buarcos” que se estimam e respeitam vai para um largo par de décadas.

Mas é irritante!

Por isso, e só por isso, lá terei de recorrer ao pacientíssimo Pedro Neves, se é que ele não estará de férias a torrar-se sob algum sol ameno, cercado de loiras voluptuosas ou morenas sensuais, sendo que alguma delas, ou todas em sucessão, está de serviço a um imenso leque abanando-o para que essa pequeníssima brisa lhe torne a passagem pela praia mais amena. E tem de ser assim pois é mais que sabido que, ao sol, as neves (mesmo se com um Pedro atrás) derretem-se mais depressa do que o fogo consome meio pinhal.

Decidi, entretanto, estabelecer aqui, para memória futura, a listagem dos títulos gerais (etiqueta etcs) que fui perpetrando. Ei-los (não sei se todos...): au bonheur des dames; estes dias que passam; o leitor (im)penitente; farmácia de serviço; expediente; o gato que pesca; tudo a bombordo, chateado no calabouço, a gata que pesca, etc...

D’Oliveira, por seu lado, assinou sempre “diário político” e “a varapau”.

Os dois, copiando com mais audácia do que qualidade a parelha Eça e Ramalho, entretivemo-nos numa série chamada “missanga a pataco”.

Dantes, qualquer leitor mais ousado ou mais inconsciente (ou mais desvairado e menos ocupado) podia ir ao blog e, encontrando, os botões correspondentes a estes títulos, podia apanhar a série toda. Assim acontecia no antigo poiso de incursões. (blogspot. qualquer coisa). Agora tal possibilidade requer entrada no texto, procurar a etiqueta no fim, ou seja uma maçada de todo o tamanho.

Baralhando e resumindo: até melhor altura os textos sob a etiqueta “diário político” são da autoria de d’Oliveira.

Todos os restantes (e fundamentalmente o leitor (im)penitente; au bonheur des dames; estes dias que passam) continuam a ser escritos por mcr.

 

19
Jul17

au bonheur des dames 414

d'oliveira

images.jpeg

 

Antes que seja tarde

 

Não costumo ouvir o meu antigo colega José Miguel Júdice que comenta os assuntos da semana numa das televisões só de notícias. Não que despreze as suas opiniões mas apenas porque nessa hora costumo estar atento a outras emissões.

Conheci o JMJ na Faculdade, embora seja mais velho. Depois, os azares da sorte e a uma tremenda dose de cabulice aliada a outras e mais interessantes ocupações (desde o Teatro à política, passando por algumas pequenas maçadas prisionais), fizeram-nos cruzar. Não é segredo para ninguém que JMJ era um dos melhores arautos da Direita mais retinta. Já será menos sabido que eu navegava em águas muito, muitíssimo diferentes. Por isso, durante anos foi nulo o nosso contacto, só activado depois em algumas reuniões de curso.

Sempre tive o hábito de tentar perceber o pensamento dos nossos (ou dos meus) adversários políticos e Júdice servia perfeitamente. Era (é) inteligente, sabia comunicar e não tenho dúvidas que, além de bom profissional, era (é) uma pessoa culta.

É verdade que o tempo, e os azares do mundo, modificou muito as opiniões de quase toda a gente. Isso e a idade ensinam mais do que a universidade. Continuo, pois, a tentar saber o que Júdice, hoje bem menos radical, pensa e diz. Ele e outros. Mas ele é o motivo do folhetim de hoje.

De facto, Júdice, observou que com a surpreendente mudança de opinião sobre a eventual futura localização da Agência Europeia do Medicamento, o Porto justo escolhido corre, todavia, um sério risco e, ao mesmo tempo, iliba o Governo de quaisquer responsabilidades na candidatura.

A AEM é desejada, ardentemente desejada, por meia dúzia de metrópoles europeias. Algumas estão muito perto do centro da UE ou, pelo menos melhor posicionadas geograficamente que o Porto.

Por outro lado, mesmo que não seja fundamental, há que ter em linha de conta com a vontade das centenas de funcionários deste departamento europeu. E nesse campeonato, o Porto não só fica depois de Lisboa mas, sobretudo, depois de algumas cidades emblemáticas e concorrentes (Paris, Berlin, Amsterdão, Viena ou mesmo Barcelona e Copenhaga, entre outras).

Por isso, foi fácil desistir de Lisboa onde, aliás, já se albergam duas instituições europeias circunstância que não ajudava nada.

Atirar a candidatura para o Porto pode ser visto de dois modos. Um, um favor ao candidato Pizarro que se arrogou rapidamente da falsa primazia no protesto.

Outro, no caso bastante provável de se perder, atirar com as culpas dessa perda para as exigências “provincianas” e bairristas do Porto.

Confesso que a coisa já me aflorara as cansadas meninges. Todavia, não lhe dei a devida importância, tanto mais que nunca pensara que o Governo poderia fazer marcha atrás e oferecer à “Invicta” a oportunidade de se candidatar a sede da AEM.

As únicas vantagens do Porto é ser esta cidade mais barata do que qualquer concorrente, ter um aeroporto internacional, ser de pequena dimensão (dentro dos seus limites) ao mesmo tempo que é capital de uma região poderosa e de outra ainda mais expressiva (contando com a Galiza aqui ao lado).

Portanto, caro Rui Moreira, aconselho muitas cautelas e caldos de galinha. Isto de contar com sapatos de defunto ou com o ovo no cu da galinha tem muito que se lhe diga e pede (suponho que V foi velejador) muito navegar à bolina e calma, montes de calma. Para desgraças já bastam estes campeonatos todos sem ganhar coisa que se veja.

Quando a esmola é farta, o pobre deve desconfiar.

De todo o modo boa sorte. Era bom para todos, para o Porto, para o Norte e para o país esta vinda da AEM. Por uma vez o Brexit poderia ser-nos útil a nós que, há séculos, andamos a apanhar as migalhas que os “bifes” nos deixam.

18
Jul17

au bonheur des dames 413

d'oliveira

images.jpeg

 

Por aqui e por ali

 

1 Leio com estupefacção que os cinco comandantes provisoriamente exonerados em Tancos foram de novo nomeados para os mesmos cargos. Tinham sido afastados para “não perturbar as averiguações internas” (sic). Desconhece-se se, neste tão curto prazo (17 dias), as famosas averiguações tiveram qualquer resultado, exceptuando as judiciosas declarações do senhor CEMGFA sobre a diminuta importância económica do roubo e sobre a irrelevância das armas desaparecidas!

Uma outra consequência dessa “exoneração provisória” foi, sem dúvida alguma, lançar poeira aos olhos do cidadão e afastar as pertinentíssimas suspeitas sobre o papel do CEME e do senhor Ministro que continua a passear a sua impotência política e a sua surpreendente teoria sobre o que é a responsabilidade política. De todo o modo, S.ª Ex.ª está politicamente morto e bom seria que a, bem da higiene pública, lhe fosse passada a respectiva certidão de óbito enviando-o para lugar mais adequado.

Resta deste folhetim escabroso apenas, e a meus olhos maldosos e anti-patrióticos, a “honra perdida” ou simplesmente beliscada dos cinco coronéis agora repostos no seu lugar. Repostos mas humilhados e fragilizados. De tudo isto salvam-se dois generais que publicamente recusaram o silêncio. Apenas dois! E agora, que irão fazer os cinco renovados comandantes? Fingir que tudo não passou de um pesadelo “de uma noite de Verão”?

2 Os fogos continuam. Melhor: agora é que a coisa começa mesmo a aquecer. Agosto, o temido Agosto, está à porta, a seca é extrema, o calor mantem-se. Volta e meia, regressa o SIRESP. Antes era o “fogo posto”. Agora, mais tecnologicamente, temos que o SIRESP tem falhas. Pelo menos, no dizer da “comunicação social” que se espoja deleitada na descrição das catástrofes. À passagem de um mês do fogo de Pedrogão, eis que as televisões se atiraram de novo aquela zona sinistrada. Não conseguiram dizer nada de novo. Por junto, surpreendiam-se com a lentidão dos auxílios como se fosse possível em curtas semanas começar a erguer casas, fazer plantios, limpar os destroços etc...

O SIRESP serve agora de cortina de fumo para a crudelíssima realidade: a inércia e a inoperância das acções de prevenção. A ideia que os incêndios se combatem depois de começarem tem destas resultados. Mais meios aéreos, mais meios terrestres, mais bombeiros, a tropa, novos comandantes da proteção civil, muita discursata, muito palavrório e as medonhas chamas a rirem-se disso tudo. E, é verdade, uma senhora Ministra constante num lugar que, reconhecidamente, é bastamente superior aos seus talentos. Mais um cadáver político à espera de pio enterro. R.I.P.

 

3 Parece que o Governo se entendeu com o Bloco de Esquerda sobre a redução da área de plantação de eucalipto. Por acaso, agora, um dos fogos ceva a sua fúria não em eucaliptos, fonte de todo o mal, mas em áreas de pinheiro bravo No entanto, não convém recordar isso. Não é politicamente correcto dizer que a floresta arde naturalmente; que a floresta não cuidada arde constantemente; que já ardia, mesmo quando o interior era habitado nas áreas de pinhal.

Sou um mero cidadão curioso e não um perito sem floresta, longe, muito longe, disso. Porém, corrijam-me se estou enganado, tenho ouvido dizer (e tenho lido) que a área de eucalipto pertencente às papeleiras não arde. Ou arde muito pouco. Porque há ordenamento na plantação, sapadores florestais e prevenção a sério.

Mesmo assim, corrijam-me de novo, não há eucaliptal suficiente para as papeleiras que, por isso, importam trinta por cento (ou mais) da matéria prima. Isto pode querer dizer (notem as minhas precauções) que, se diminuem a área de eucalipto, aumentam consequentemente as importações. Ou diminui o fabrico de pasta de papel. Se assim for, das duas uma: ou se reduz o emprego fabril nas celuloses ou as fábricas terão de enfrentar custos maiores o que só pode ter uma de duas consequências: alta de preços e eventual perda de mercado ou pressão para aumentar a competitividade e redução de emprego.

Também levaria a minha desvairada curiosidade a uma pergunta simples: que é que o BE, tão amante da natureza e do interior, propõe para onde não se plante eucalipto? Casinhas brancas à portuguesa com pão e vinho na mesa? Pastagens (não esquecer que para isso é preciso pastores)? Outras espécies florestais de crescimento rápido?

4 Os nacionais populistas andam num frenesi. A PT, que durante anos foi um escândalo, está a ser alvo de um piratagem efectuada pela sua proprietária (Altice). Consta que estão a ser mudados de lugar funcionários. Pergunta inocente: houve despedimentos? Resposta para já: Não.

Os mesmos fervorosos defensores da apropriação pública e estatizante de empresas, não querem que a Altice, sempre essa empresa fatal, compre a TVI e respectivos satélites. Afirmam que isso irá criar um monopólio. Há que tempos que não ouvia esta palavra! (culpa da queda do Muro e do falecimento sem glória da URSS. Às vezes a falência de um sistema tem destas consequência semi-semânticas...)

Vejamos por partes: A Altice, no que toca aos serviços de tv por cabo, jura que tem o dobro dos trabalhadores das duas concorrentes. A ser verdade (e na PT tudo era possível até esta ligeira estravagância) parece normal e conveniente que haja um esforço para poder ser concorrencial sobretudo se não houver despedimentos.

No que respeita à compra da TVI, a pergunta que se faz é esta: qual é a diferença entre a Altice (francesa) e a Prisa (espanhola) e anterior proprietária? Será que PC, BE e Costa são iberistas?

Por outro lado, sendo a TVI uma emissora privada (parece que é a que conta com maior audiência) será que só agora se percebeu isso e, aqui del rei!, há que nacionalizá-la? Não chegam a RTP 1, 2, 3, Internacional, África, Açores, Madeira, sei lá que mais que se arrastam à custa do contribuinte a fingir de serviço público? O público, esse ingrato, prefere as estações concorrentes, sobretudo a TVI. Não acham que se devia castigar esses anti portugueses e anti patriotas?

(digo isto porque, como bom traidor impenitente, quase não vejo as tv nacionais mas, antes e sobretudo, a TV5, algumas de língua inglesa, a TVE, os noticiários da RAI, a ARTE e os canais onde correm as séries policiais. E de quando em quando, o canal Holywood, os canais temáticos e, muito, muitíssimo, o canal Mezzo. Da emissão nacional só os canais de notícias em continuo. E bonda! )

A Altice é, agora, o novo monstro, o novo Cabo das Tormentas, dos nacionais-populistas.

Perderam-se (alguém perdeu, nanja eu) a EDP, as seguradoras, os bancos, a ANA, e o que não se perdeu andamos a pagá-lo pertinazmente com língua de palmo (os Banifs, os BPP, os BES, os BPNs, a CGD . – o que já se sabe e o que mais tarde ou mais cedo se saberá- enfim toda essa banca rota que nos há de desgraçar por muitos e maus anos). Nada disto é importante, ninguém quer saber. Agora é Altice de um tal Drahi que está a dar.

Lamentavelmente, não houve tempo para se assistir ao estoiro da PT comprada ainda antes de se poder ver como é que o Titanic foi ao fundo.

Pessoalmente, estou-me nas tintas para a Altice mas, enquanto cidadão, arreceio-me destes gargarejos nacionalizadores dos cavalheiros do costume. A História tem-nos ensinado o que sucede quando acontecem as nacionalizações sempre a favor do Povo com letra grande e sempre a serem pagas pelo povo com letra pequena. A diferença é que o primeiro constitui a clientela predileta do PC e do BE enquanto o segundo engloba os paisanos todos ou, pelo menos, os paisanos que pagam impostos. E eu não quero pagar (mais do que já paguei) a PT, a TVI e o que por arrasto pode vir. E não sou solidário de gente que foi desnecessariamente empregada por cunha, por clientelismo político, na PT. Pelos vistos fizeram pouco ou nada. Mas ganharam o seu dinheirinho enquanto o nosso fluía para sabe-se lá onde.

É para o que estamos...