Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

05
Abr17

Mais uma machadada na justiça

José Carlos Pereira

images.jpg

 

Não aposto um cêntimo na inocência de Dias Loureiro no processo que o envolvia no âmbito do BPN. Mas também não aposto um cêntimo na sua culpa. É à justiça que cabe investigar e  acusar. Ou, em alternativa, investigar e arquivar o processo se constatar que não é capaz de reunir provas bastantes. Como sucedeu agora com este processo que abrangia o ex-ministro e ex-conselheiro de Estado, entre outros suspeitos.

O que a justiça não pode é plantar insinuações após vários anos de investigação terem conduzido à ausência de provas concludentes. Não é a primeira vez que esta actuação ocorre e provavelmente não será a última, mas este comportamento contribui gravemente para o descrédito dos agentes da justiça. Ah, e claro que também dá uma ajuda ao populismo crescente, que olha sempre para os políticos e os mais poderosos como culpados de tudo e do seu contrário.

31
Mar16

A justiça que não se faz (por cá e por lá)

José Carlos Pereira

Decidi há muito não me pronunciar sobre o que vem a público da investigação que envolve o antigo primeiro-ministro, José Sócrates. Prefiro esperar para ver em que resulta essa investigação e os dados que vão, presumivelmente, suportar a acusação. Isso não impede, contudo, que vá fazendo os meus juízos de valor sobre o trabalho desenvolvido pela investigação, os respectivos timings, as fugas de informação e a cruzada de singulares assistentes do processo.

Soube-se entretanto que a investigação reclamou um prazo de mais meio ano para formular a acusação a José Sócrates. Prazo esse que poderá, eventualmente, vir a ser prorrogado em caso de justificada necessidade. Facilmente se percebe que uma investigação que se prolonga por mais de três anos nunca fará justiça em tempo útil a nenhum cidadão, muito menos a alguém que exerceu funções tão relevantes como as de primeiro-ministro.

Do outro lado do Atlântico, o Brasil está em chamas, com o derrube da presidente Dilma Rousseff na mira de vários sectores políticos e económicos. A recente divulgação das escutas telefónicas envolvendo a presidente e o ex-presidente Lula da Silva foi um dos elementos marcantes do processo em torno do impeachment da presidente, da investigação sobre Lula da Silva e da sua nomeação como ministro.

Perante a repercussão pública dessas escutas telefónicas, o juiz que as revelou veio agora apresentar um pedido de desculpas (!) ao Supremo Tribunal brasileiro. Diz o juiz que não teve motivações político-partidárias. Pois não. Isto depois de já termos sabido que o juiz que suspendeu a tomada de posse de Lula como ministro foi um participante activo nas manifestações políticas contra a presidente Dilma Rousseff…

Cada país tem o seu sistema e as suas regras. Como cada país tem o seu povo e os seus políticos. Mas, cá como lá, é evidente que o comportamento da justiça deixa muito a desejar com estes exemplos e esta conduta.

04
Dez15

A condenação (exemplar) de Narciso

José Carlos Pereira

ng1329167.jpg

Narciso Miranda foi condenado em primeira instância e anunciou que vai recorrer. Mais do que analisar o caso em si e a conduta do antigo autarca de Matosinhos, este episódio permite relevar as divergências entre a Lei e a realidade concreta das candidaturas independentes às autarquias locais.

Os movimentos ditos independentes nunca deixaram de ser um mero instrumento à disposição dos respectivos candidatos, chamassem-se eles Narciso, Valentim, Isaltino ou Avelino. Foram, na prática, movimentos unipessoais em que a estrutura, a logística e as finanças dependeram, em cada momento, da vontade e da decisão do candidato. Alguém duvida que era assim? Alguém pensa que os estatutos “beneficentes” desses movimentos foram cumpridos? E que as receitas apuradas reverteram em prol dos propósitos estatutários desses movimentos? Pode haver uma ou outra excepção no país, mas na esmagadora maioria dos casos os movimentos e os candidatos deram a volta, por completo, à legislação que  enquadrou as respectivas candidaturas.

Aí está uma boa matéria para o novo parlamento tratar, sem pressas, a tempo das eleições autárquicas de 2017.

01
Dez15

Ministério Público TV

José Carlos Pereira

Veio ontem a público que uma estação de televisão - a CMTV - emitiu na noite de domingo imagens de interrogatórios judiciais do denominado caso dos vistos gold, um dos quais envolvendo o ex-ministro Miguel Macedo. Quando se pensava que já tudo tinha sido visto, constata-se, afinal, que a justiça e alguma comunicação social ainda conseguem encontrar forma de surpreender neste país à beira-mar plantado. 

É claro que o alegado "interesse público" da transmissão, defendido pela CMTV, colide com os mais elementares direitos dos arguidos, independentemente de quem se trate. Isso é de tal forma óbvio que deve ser causa de repulsa a todos os cidadãos que acreditam no Estado de Direito e deveria ser motivo suficiente para a pronta abertura de um inquérito rigoroso e urgente à divulgação dessas imagens. Um inquérito célere e preciso nas suas conclusões. Uma televisão transmite imagens de um interrogatório do ministério público a arguidos de um processo em curso e não se passa nada?

Reacções como as do embaixador Seixas da Costa ou do cronista Ferreira Fernandes são absolutamente compreensíveis perante o pasmo criado por este episódio, que vem na linha de muitos outros casos de violação do segredo de justiça nos últimos anos. 

04
Mar15

A manipulação, a mentira e a arrogância como metodologia de acção e intervenção política

JSC

Passos Coelho praticou um acto ilícito, que se repetiu mês a mês, durante cinco anos. O normal seria Passos Coelho, confrontado com a descoberta, dar a explicação dos factos, reparar o que pudesse reparar e tirar as consequências, que teriam de estar sempre ajustadas com a gravidade da infração e o cargo que exerce.

 

Contudo, o que fez Passos Coelho?

 

Começou por desvalorizar os factos que lhe são imputados. Depois, partiu para a responsabilização dos serviços administrativos da Segurança Social pelo sucedido. A seguir, como o coro ia em crescendo, resolveu qualificar e enquadrar os factos na campanha política/eleitoral em curso. Por fim, e até ver, passou a atacar adversários políticos e a gritar a sua superioridade política, moral e ética, chegando ao ponto de fixar sentenças condenatórias em “caso” que está a ser objecto de investigação (com estranhas metodologias, diga-se).

 

De tudo o que tem dito Passos Coelho, a única verdade irredutível, a que não pode fugir, é que de uma forma reiterada e durante muito tempo, o cidadão (e então já político) Passos Coelho não cumpriu as suas obrigações contributivas.

 

Face a esta verdade, se tudo se passasse de uma forma normal, sem subterfúgios, tudo se resumiria a um processo de causa-efeito. O não cumprimento das obrigações contributivas (causa) não é compaginável com o exercício do cargo de primeiro ministro, ministro ou outro cargo político. Logo, o efeito só podia ser o pedido de demissão ou renúncia ao cargo. Era bonito e digno! A seguir, porque a política que temos é esta, sob uma onda de elogios ao demissionário, o Presidente da República, como sempre fez, segurava o Primeiro Ministro. “A seis meses das eleições não se pode aceitar a renúncia”, diria. Era perfeito! Tudo ficava na mesma e o país a bater no fundo.

 

Não foi este o caminho escolhido por Passos Coelho. E não foi porque o caminho só podia ser o de alguém que fez todo um percurso assente numa ética que integra a manipulação, a mentira e a arrogância como metodologia de acção e intervenção política.

 

Ao agir assim e ao arrastar consigo Ministros e responsáveis do partido que dirige Passos Coelho está, por um lado, a procurar gerar uma corrente de opinião que transforme o que é objecto de censura e criminalização – não cumprimento de obrigações contributivas – em qualquer coisa sem relevo, que está a ser criada pelos seus adversários, que não existe. Por outro lado, Passos Coelho ao deixar que os seus ministros o desculpabilizem está a arrastar o Governo para o pântano da manipulação da opinião pública e, o que é igualmente grave, está a transformar os ministros em agentes solidários com a prática de actos ilícitos. Só faltava agora que o Presidente da República se lembrasse de entrar no mesmo caminho… Dificilmente um Governo poderia descer a um ponto sem retorno.

23
Fev15

O mercado do “segredo de justiça”

JSC

José Sócrates foi chamado a depor sobre as fugas ao segredo de justiça. Não fosse ele fugir e revelar algum segredo foi acompanhado por seis carrinhas com polícias de intervenção da PSP e tinha a recebê-lo mais de uma dezena de polícias da segurança pública.

Pelo aparato securitário de que se revestiu a chamada de José Sócrates, este deve ter formado algum gang na prisão ou então está a mobilizar meios extraordinários que obrigam a Justiça a precaver-se, não vá o diabo tece-las…

O que verdadeiramente surpreende, neste caso, é o silêncio oficial que vem do lado da Justiça, apesar da quantidade de artigos e intervenções públicas de gente que nada tem ou teve a ver com Sócrates, a por em causa, com argumentos jurídos, a sua prisão, a questionar os métodos adoptados e a mais que óbvia quebra do segredo de justiça, a provar que, como alguém dizia hoje, “o segredo de justiça tornou-se um facto com valor económico”, que, acrescentamos, valoriza consoante a conjuntura política em que é negociado.

Certo é que alguém negoceia a venda deste novo recurso económico gerador de riqueza (real ou virtual). Certo é que os inquéritos para apurar as responsabilidades sobre esta matéria dão no que dão, em desperdício de tempo e dinheiro. O que de todo nos parece é que a audição de José Sócrates, sobre esta matéria, neste caso, afigura-se completamente inútil e mais um acto desnecessário de exposição e enxovalho público.

É tempo de nos convencermos que, hoje, os serviços judiciais não são fonte segura para coisa nenhuma, tais são as fugas de informação e a mais que óbvia indisponibilidade da justiça para todos.

13
Fev15

Tão eficientes na destruição dos serviços públicos como a desculparem-se

JSC

Temos bem presente o que tem sido a calamidade nos serviços de saúde. Como era expectável, quando começaram a reduzir serviços, a despedir pessoal, a não renovar contratos, a impedir o acesso dos recém-licenciados à carreira médica e afins, as consequências acabariam por aparecer e apareceram, com custos de vidas, inclusive.

Na educação, na segurança social, as medidas foram as mesmas e os resultados catastróficos, mesmo que não tão mediatizados. Mas se formos para outros serviços públicos, com grande importância no dia-a-dia dos cidadãos, apesar de mais afastados dos holofotes da comunicação social, encontramos o mesmo desastre.

Por exemplo, o governo acabou com a Direcção Geral de Viação. Meteu tudo no IMT, resultado, dias, semanas ou anos de espera. Quem chegar às 9H30 a um serviço do IMT encontra afixadas umas folhas A4 (que há muito que não são removidas), com estes dizeres:

“AVISO

INFORMA-SE QUE DEVIDO À GRANDE AFLUÊNCIA DE PÚBLICO O SECTOR DE ATENDIMENTO DE CONDUTORES, o mesmo esgotou a capacidade de atendimento.”

O tempo de espera pela obtenção da renovação de uma carta de condução pode ultrapassar ano e meio. - “Para quando preveem a entrega?”. - Estão agora a emitir as de Janeiro de dois mil e catorze”.

É notável o empenho e a paciência dos profissionais daqueles serviços, que acumulam doses acrescidas de trabalho e ainda têm de aturar com o azedume, também compreensível, de quem ali vai e tem de voltar nos dias seguintes para tentar ser atendido.

Os Tribunais também não escaparam à grande reforma do Estado, que consistiu em despedir e não substituir quem se aposentou. A situação deve ser tão grave que a Procuradora-geral distrital do Porto diz que a "carência de funcionários em todas as comarcas do Distrito Judicial de Porto é verdadeiramente dramática", de tal modo que em alguns núcleos, só o serviço urgente tem resposta. É a falência do sistema de justiça.

A isto, a Ministra responde com a responsabilização dos tribunais por falta de funcionários porque, diz, cabe aos órgãos de gestão de comarca deslocar funcionários de acordo com as necessidades dos tribunais.

Ou seja, segundo a Ministra, a responsabilidade não é de quem tomou a decisão política de restringir o quadro de pessoal da justiça. A responsabilidade, no caso em concreto, é da Procuradora-geral distrital do Porto que não foi capaz de deslocar o pessoal que falta em alguns núcleos para outros núcleos também carentes de pessoal.

É notável a capacidade da Senhora Ministra, de todo o governo, em não assumir responsabilidades. Capacidade só comparável à que têm revelado no desmantelamento dos serviços públicos.

16
Jan15

Dez anos de prisão e mil chicotadas por querer ser livre

JSC

Os governantes sauditas são nada mais nada menos que os nossos grandes amigos, vendem petróleo a preço justo, compram aviões, armamento, alimentam a economia ocidental com matéria-prima e depois compram o produto acabado. Deve ser por isso que os governantes do Ocidente nunca tentaram ali a “primavera árabe” nem se preocupam com a barbárie que se abate sobre os sauditas que ousam libertar-se do jugo.

Raif Badawi, o Charlie saudita condenado a mil chicotadas

22
Dez14

Estória submarina explicada em vídeo…

JSC

Segundo o sempre bem informado Correio da Manhã, Paulo Portas vai, brevemente, “explicar” a “compra dos dois submersíveis”. A “explicação”, para que seja mais convincente e espontânea, virá em forma de vídeo.

Por ente votos de Boas Festas, Paulo Portas irá, certamente, dizer

que está “de consciência tranquila”,

que “o negócio dos submarinos é da responsabilidade do PS”,

que nada tem a ver com a escolha do banco que financiou a operação,

que nunca tinha ouvido falar dos 30 milhões € que os donos do BES, em reunião de família, afirmaram ter sido para pagar isto e aquilo.

Aguardemos. Até pode ser que Paulo Portas nos diga porque se dispôs a “explicar”, não antes mas logo agora que o processo foi arquivado.

18
Dez14

“Boas notícias para Paulo Portas”, diz a VISÂO.

JSC

Ainda ontem trazíamos aqui a questão dos submarinos, a propósito das declarações dos protagonistas BES. Não há dúvida sobre esta parte da participação no negócio. Quem foram os beneficiários e o montante distribuído.

 

Logo hoje que a TVI mostrou a conversa em que os membros do conselho Superior BES não só repartiram entre si os 5M€, como se referiram ao montante que terá sido distribuído por outros personagens envolvidos na marosca, logo hoje, é que vem a público que o Ministério Público decidiu não levar a julgamento nem deduzir acusações contra os arguidos do famoso Caso dos Submarinos, que investigou, durante oito anos, o negócio dos submergíveis comprados aos alemães. O despacho de arquivamento já é do conhecimento de Amadeu Guerra, diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

Oito aninhos a investigar e tudo leva a supor que nunca tiveram acesso àquelas gravações. Deve ser uma frustração do caraças.

 

A Visão deve ter as suas razões para abrir a sua notícia, em exclusivo, do arquivamento do processo dos submarinos com a dica: “Boas notícias para Paulo Portas”. Será que PP também achará que são mesmo boas notícias?