Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

missanga a pataco 75

d'oliveira, 21.10.10

Este pecado não mora ao lado

Marilyn Monroe era uma mulher bonita, sensível, inteligente e talentosa. A vida deu-lhe muito e tirou-lhe tudo. Foi famosa, invejada, amada, idolatrada e conseguiu o milagre absoluto de permanecer intacta na sua esplêndida beleza todos estes anos. Graças ao cinema e a ela própria. E a um corpo escultural, uma voz delicada e á aura da desgraça.

Quererem fazer dela, agora, uma intelectual assanhada é claramente uma revisão da história. Marilyn, já se disse, era inteligente e talentosa. Era curiosa e gostava de ler. Leu muito, porventura demais, ou isso quiseram fazer crer. Escreveu um pequeno diário em que apontava com ingenuidade e sensibilidade o que via, o que ouvia e o que sentia. Fazer disso uma obra literária do tamanho do Pulitzer é ridículo e diminui uma grande mulher infeliz e demasiado bela.

Os vampiros da carniça que contribuíram para a perda dela, não desistem de ganhar dinheiro com o cadáver que já se não pode opor-se-lhes.

Sempre admirei MM, mesmo quando isso parecia pequeno-burguês e quando se devia exaltar apenas alguns camafeus do neo-realismo de que já ninguém se lembra. Tenho os seus filmes, alguns álbuns sobre ela, e um persistente, antigo encantamento.

Basta de exploração! Não destruam o mito e sobretudo não matem segunda vez a mulher que perseguiram até à morte.

* na gravura: a gata Kiki de Montparnasse com Marilyn ao fundo

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.