Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

Norte 2015

José Carlos Pereira, 31.05.05
Na passada semana, tive oportunidade de participar no seminário Norte 2015, uma iniciativa da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte subordinada ao tema “O desenvolvimento regional no novo horizonte europeu: o caso do Norte de Portugal”.
Este seminário foi a primeira grande oportunidade de participação pública num projecto que tem por grande objectivo definir, de forma aberta e concertada, uma estratégia de desenvolvimento do Norte de Portugal para a próxima década, contribuindo ainda para posicionar a região no debate nacional em torno do próximo período (2007/2013) de políticas à escala europeia e dos seus objectivos de coesão e competitividade.
Passaram pelo edifício da antiga Alfândega do Porto o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, antigos governantes, muitos presidentes de Câmara, académicos, investigadores e quadros da região, todos preocupados com a crescente perda de competitividade do Norte de Portugal no contexto nacional e europeu e apostados em encontrar a estratégia adequada para tirar o máximo proveito do quadro comunitário de apoio que se encontra em negociação.
Alguns jornais destacaram a afirmação proferida pelo autarca de Arcos de Valdevez e presidente do Conselho Regional, Francisco Araújo, no sentido de que a região Norte é hoje a região mais pobre de Portugal e de toda a Península Ibérica. Esta conclusão, mais do que um anátema, deve servir para que toda a região se una em torno de um objectivo comum – o desenvolvimento solidário – de modo a que o Norte, litoral e interior, encontre as condições necessárias para consolidar uma estratégia territorial que permita um crescimento económico sustentado e a afirmação plena das potencialidades das suas instituições e pessoas.

1 comentário

Comentar post