Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

au bonheur des dames 412

d'oliveira, 26.12.20

images.jpeg

 

“stille Nacht, heilige Nacht”

Variações natalícias

mcr, 26 de Dezembro

 

São as crianças que salvam o Natal. Sem elas a coisa, decorre com alguma melancolia que à mesa faltam cada vez mais dos nossos. Por muito que se queira, ao olhar em volta surge, repentinamente, um fantasma familiar, a recordação de outros natais com ele e os risos já só são ternos e vagos sorrisos que a saudade aperta e o futuro, sempre ele!, ameaça. Há de chegar o dia em que os faltosos somos nós e, eventualmente, alguém verá ao fundo da mesa, uma fugidia passagem, nós reclamando pão verdadeiro para o queijo da Serra e um vinho tinto decente para acompanhar.

Há um restaurantinho francês com comida francesa, sem turistas que se notem, mesas corridas, menu escrito a giz num quadro. Eu cheguei lá graças a um dos primeiros guias do routard. E cheguei porque falavam em serviço decente, barato e genuíno. A rua da Cerisaire na esquina da rue du Musc (que em tempos foi, oh maldita correcção política e moral, rue Pute et Muse) tem esses restaurante. Quando lá levei a CG pela primeira vez ficamos sentados em frente a um operário da construção civil. Na altura do queijo já parecíamos conhecidos antigos que o homem era simpático e parisiense de todos os costados. Veio o queijo e eu pedi mais pão dizendo ao franciú “O queijo quer pão”. E ele, placidamente acrescentou e vinho. Vinho tinto de preferência!” E fomo-nos ao queijinho como Santiago aos sarracenos.

Mas eu estava a discorrer sovre o natal. Graças ao Nuno Maria, que estava excitadíssimo com s prendas e que era o moço de entrega das que não se lhe destinavam, o natal fluiu.

Éramos meia dúzia de adultos, um dos quais saído de um covid modesto, chato, mas sem complicações.

E subitamente, vieram-.me à memória as palavras do maus famoso hino de natal vindo da Alemanha profunda e da pobreza de uma igreja cujo órgão se estragara.

Foi no meu 6º ano do liceu, em Coimbra, no “D João III” que aprendi a letra da canção. Ainda hoje a sei toda mas não me atrevo sequer a cantar as duas primeiras palavras. Sou um desafinante crónico, irredutível condenado ao silêncio quanto mais não seja por vergonha. Torno-me útil por saber as palavras todas mas ai de mim se tento gargantear seja o que for.

E já que me lembro do liceu D João III, ainda hoje me arrepia a imbecilidade de quem o rebaptizou com o nome praticamente esquecido de um deputado republicano que ninguém lembra nem associa a qualquer coisa de grandioso. O rei D João III fez por Coimbra mais que quase todos os outros. Engrandeceu a Universidade, mandou construir os colégios maiores da Rª da Sofia, trouxe professores estrangeiros alguns dos quais, aliás, foram alvo da inquisição. A cidade, sob o impulso régio cresceu e daí o nome do liceu. Depois, na confusão atribulada do 25 de Abril, um punhado de ignorantes mudou o nome pensando que com isso exaltava a democracia.

Isto é como o nome das ruas, mesmo o mais modesto. Assim a rua do único grande santo português foi no Porto substituída por 31 de Janeiro (e por duas vezes!). O 31 de Janeiro não é exactamente um momento glorioso como alguns dos seus intervenientes (por todos João Chagas) fizeram notar. Aquilo foi a soma da impreparação, do aventureirismo e do atirar para a frente os do costume que foram os que caíram sob as balas da Guarda entrincheirada no alto da rua.

Que alguém, possuído por um republicanismo incandescente quisesse perpetuar o nome da revolta, percebe-se, respeita-se. E havia sempre ruas para o fazer. Mas, que diabo, o Santo António é o nosso mais universal santo, o único que emparelha com o Apóstolo e o Baptista, na mitologia e louvação populares. É bem verdade que o Porto é todo sãojoanino mas o doutor da Igreja e o mais rápido santo canonizado mão deveria ser assim apeado de uma rua com uma longa, longuíssima história. Bem dizem os de Pádua que o Santo é deles.

O natal já foi, o Ano Novo vai ser comfinadíssimo. A ver vamos se não nos arrependemos de tra dado uma folga nestes dias. Fazer coincidir uma eventual terceira vaga com a chegada das vacinas seria um fiasco.

De todo o modo, e mesmo que volte a estas páginas, desde já vos desejo um Bom Ano de 2021. E nenhuma sequela do Natal que festejaram.

 

3 comentários

Comentar post