Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

14
Fev18

Estes dias que passam 365

d'oliveira

alle reden von Wetter.png

Deutschland bleiches mutter

 

 mcr 8/2/18 e 14/2/18

 

O cartaz que acima se reproduz vem (ahimé!) dos anos 6o, melhor deizendo dos finais dessa época contraditória e, para mim, luminosa e indecisa. Vi-o pela primeira vez em Berlin, num Studentenheim em Wedding onde me albergava enquanto estudante do "Goethe Institut. Abafei-o à má fila e regressei à pátria madrasta com ele. Se a memória me não falha esteve pendurado n parede lá de casa até a PIDE ir fazer uma visitinha. Eu acabara de ser preso e aquela boa gente queria por força saber que leituras eu faria. Acabaram por levar dois quarteirões de livros, um poster do Ho Chi Minh e este cartaz. Talvez também tenha ido um poster comemorativo do cinquentenária da Revolução de Outubro e alusivo ao cruzador Aurora. 

Berlin, nesses anos de vinho e rosas, de certezas e angústia, era uma inolvidável experiência. Para um estrangeiro que podia (mesmo que dificultosamente, bem dificultosamente) passar o muro o mundo explicava-se com grande rapidez. do lado de cá, o protesto, Rudi Dutschke, os Kindergarten, a prosperidade gritante e uma imprensa variada mesmo que assombrada pelo império Springler. Comunas de todo o género, anarquistas, comunistas, contestatérios sem agenda especial mostravam uma cidade cercada e vibrante. Do outor, o cinzentismo da Karl Marx Allee, os cafés tristonhos e pobres, as lojas quase vazias, as livrarias reduzidas aos clássicos marxistas, aos aitores do realismo socialista e a alguns, não todos, escritores alemães de séculos passados. Aquilo não era apenas pobreza intelectual. Era censura pura e dura, coisa que, pelo que depois fui lendo, não parecia visível aos raros estudantes portugueses que tinham bolsas de estudo para a chamada República Democrática Alemã.

No meio disto tudo, as Juventudes do SPD exerciam uma rigorosa crítica a tudo o que o Governo Alemão fazia ou queria. E faziam o excelente Willy Brandt passar maus bocados. Achavam-no "burguês", "reformista", inseguro frente à CDU e ao Ocidente. Ao mesmo tempo, iam acertando o passo à deslavada mas ditatorial república vizinha refugiada atrás do Muro e alvejando os seus cidadãos quando algum deles tentava fugir do paraíso socialista para o império do capital e do mal. 

Tudo isto, agora que o império da STASI está enterrado, me vem à memória ao ler as notícias do eventual acordo de governo para a Alemanha. Pelos vistos, Schultz ainda vai submeter a votos o acordo. Os militantes (mais de 400.000) responderão por postal à pergunta se concordam ou não com o alcançado. Parece que Juventude partidária é contra. E que, desde há meses, tem andado  numa intensa campanha de recrutamento para obter mais vozes contra. Vejam bem: estes novos, novíssimos, militantes (já são quase 25.000!), sem passado político, sem garantias de futuro no SPD, vão poder dizer "sim" ou ""não" a um acordo para cuja discussão não contribuiram. Entretanto, o partido vai perdendo continuamente popularidade. Se a coisa continua arrisca-se a ser suplantado pelos neo "fascistas" da Alternativa pela Alemanha. 

Convenhamos. O antigo slogan (tradução livre: todos andam por aí a dizer ninharias, nós não) era eventualmente ousado e a destempo naquela época de guerra fria. No entanto não propunha que "morresse Sansão e todos os que aqui estão", como infelizmente agora parece ser o caso. Este acordo, pelo que tenho lido (e ouvido na televisão alemã) merece ser aproveitado. Na Alemanha porque marca um forte progresso de políticas mais justas, mais igualitárias  e mais geradoras de emprego. Na Europa porque dá ainda mais força à actual tentativa de melhorar o dificultoso estado da União.

A juventude, comentou alguma vez algum cínico demaiadamente realista, é uma doença que passa com o tempo. Como a acne  que, todavia, pode deixar borbulhas maxime um rosto desfigurado.

...............

Repego neste texto perdido há quase oito dias. Não dava com ele, e ele, quieto e manso na caixa do blog!...

entretanto Martin Schulz desiste de ser (um bom) ministro dos Negócios Estrangeiros e, já se demitiu de todas as suas funções no SPD. Má notícia para o partido e má notícia para a coligação em perspectiva. Pior notícia para a europa e, especialmente, para os países do Sul.

Os ventos foram semeados. Vejamos se por aí vem alguma tempestade.