Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

21
Nov18

estes dias que passam 380

d'oliveira

Unknown.jpeg

Carta (ou “carto”?) a um “camarado

mcr aos 21de Novembro de 2018

Ex.º Senhor Deputado

Li embevecido as considerações que entendeu dar à fosca luz do dia sobre o uso da palavra “camarado”. Pelos vistos, V.ª Ex.ª, avisado linguista (e não menos excelente gramático) que mostra ser, acha prodigiosamente útil haver um masculino para camarada mesmo se esta palavra tenha tido ao longo de séculos de militaragem, um cunho fortemente machista bem mais expressivo do que a actual e débil conotação marxizante e pseudo proletária.

Pratiquemos, pois, um pouco nessa evolução linguística do português tal qual se fala (que a meu ver tem sido alvo de tratos de polé que não se iniciaram com o miserável e último acordo ortográfico mas que vem de longe tangido pela ignorância atrevida e pela estupidez congénita que assola boa parte da elite que se crê intérprete (ou “intérpreta”? dos desgraçados cidadãos que a tudo assistem impotentes.

Palavra que nunca me tinha ocorrido qualquer ideia de que camarada, apenas por terminar em A era feminino. E que, por isso, urgia arranjar-lhe par condigno para uso de congressos partidários. Já basta que quando se fala do bloco (ou da “bloca”?) só se refiram as senhoras Catarina, Marisa mailas manas Mortágua. Arre que é demais. Demais, sobretudo, por o único cavalheiro de quem se fala é o senhor Robles, egrégio representante da política municipal bloquista e indefectível apoiante da causa dos sem casa ou dos que a procuram a preço razoável.

Sei que isto é injusto para com a sua augusta pessoa (ou seu augusto pessoo?) que a minha tia Jaluca conhece por “aquele carequinha” do BE. Mas que se há de fazer? Elas, à pala de serem mulheres, inteligentes, cultas e relativamente novas, ocupam sem rebuço todos os ecrãs de televisão e até já fizeram esquecer aquele trio de conspícuas figuras (figuros?) de cera constituído por uma espécie de sacristão, por um cavalheiro de suspensórios e por uma espécie de guerrilheiro gorducho e de óculos. Ganhámos (nós os do público) com a troca e quero crer que o BE também ganhou em visibilidade. Não veja nisto qualquer espécie de machismo mas o mesmo sucedeu com o CDS onde o pertinaz e intransigente senhor Portas cedeu o lugar à senhora Cristas (que até terá –a seus olhos - a vantagem de feminizar o nome de Cristo ou o adjectivo muito em uso na lerpa “o cristo” ou seja o que vai perdendo para os parceiros mais afortunados.)

(a propósito, ou nem isso: porque é que há tantos jogos de cartas populares com nomes femininos? Ele é a lerpa, a bisca, a sueca que só têm do outro lado o montinho e o sete e meio – e este só é masculino a um terço. Jogos masculinos só os importados, o bridge, o póquer e o vinte e um real, na realidade “black jack” e, mesmo aí, temos a canasta de que a minha mãe foi devota e brilhante praticante durante uns bons sessenta anos. Agora, a falta de olhos e de mobilidade, deixou-a isolada tanto mais que boa parte das parceiras já foi desta para melhor. Do mesmo mal me queixo eu que vi desaparecer três inteiras gerações de parceiros de bridge...)

Voltemos, porém, às nossas encomendas: O camarado! Assim de repente, e ao correr da pena, lembro-me de idiota, palerma, patarata que pedem masculino convincente e aplicável. Ou de imbecil, que nem é carne nem é peixe, adjectivo mais adequado à causa trans-gênero e a pedir imbecila e imbecilo.

É que esta campanha de feminização ou masculinização da sofrida língua que falamos ou balbuciamos, tem perigos por todo o lado. Ele há expressões (e neste “ele” já vai um mundo de suspeição) que denotam um machismo insuportável e uma visão do mundo que a malta do me too deveria começar a explorar (e a expurgar!). Seja “ungido do Senhor” ou os “caminhos do Senhor” que são ínvios. Então por onde anda a “Senhora”?, raios me partam (ou raias me partam, mesmo se esta última possa confundir-se com com o peixe da família dos miliobactídeos, imbatível frita, ou em caldeirada)

No domínio das más caracterizações também convém reformular “fulano é uma besta” ou “cicrano é um catavento”. Veja como besta é bem mais violento do que catavento, mesmo se fulano apenas possa ser um estúpido contumaz e cicrano um político habilidoso que muda de pensamento qual piuma al vento ou uma dona mobile (não haverá no universo de Verdi um cavalheiro móvel? Vê-se que o músico era mesmo do século XIX).

No domínio da bicheza, zebra, girafa ou pantera pedem a gritos masculino capaz. Como andorinha, mesmo se neste caso, tenha conhecido um marítimo cujo apodo na comunidade era, digamos, Vagina de andorinha, em termos bem mais crus. E mais sonantes.

Nisto de calão há de tudo desde “aquele caramelo” a filho da puta (Por onde paira a filha do puto?), para já não referir aqueles votos mais imperativos e soezes vai à m*, vai para o c* ou o quase enternecedor “longe, longíssimo, cornos da lua, estrelinha que te guie, casa do c*”

Ficar-me-ia por aqui não fora a reclamação de uma amiga, aqui na esplanada, que refilando me espetou porque é que não havia masculinos para Amélia, Rosa, Beatriz, Irene, Isabel ou Helena. Tentei escapulir-me com Pedro (ninguém de bom senso baptiza a descendente com Pedra), Nuno, Miguel ou Hugo que no velho “Mandarim” de outros combativos e ruidosos tempos serviu ao falecido e nunca assaz chorado Zé Manel Pinto dos Santos para apostrofar um empregado ratoneiro e enganador com esta “Arre que o senhor é hugo que se farta!”

Mal ele sabia de como a História (outro feminino uivante) lhe viria a dar razão.

Vai este folhetim par dois destinatários que comigo se cruzaram nesse antro também conhecido como “Kremlin” ao mesmo tempo que a desbotada praça da República onde se situava se crismava nessa época de ilusão em “Praça Vermelha”, num tempo em que os/as colegas, camaradas, amigos/as, companheiros/as, enfim a malta do “contra” sabia bem quanto custava a vida e quanto arriscávamos. Refiro com imensa ternura e amizade a Maria A. (Milu) e o Zé Quitério. Saravah, manos, estamos vivos! E não há camarado “que corte a raiz ao pensamento”.

* na gravura :"Os camaradas" ópera para crianças. 

 

1 comentário

Comentar post