Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

estes dias que passam 585

d'oliveira, 29.03.21

Marcelo-Xi-Jinping-China-768x403.jpg

Saída precária 15

Oh que surpresa!

mcr, 29 de Março

 

O Governo português tem manifestado uma enorme surpresa pelas “restrições” impostas aos meios de comunicação de Macau.Parece que as autoridades chinesas não permitem aos jornalistas e especialmente à televisão a difusão de notícias que alegadamente ponham em causa o bom nome e as excelsas virtudes do Governo chinês, das suas instituições “democráticas” e “populares” e proíbem notícias sobre Hong Kong ou a região uigur, entre outras, muitas outras!         

“Ai Jesus, Maria, José!”, geme o sr Ministro dos Negócios Estranjeiros, “como é possível tal desvio aos acordos celebrados solenemente entre Portugal e a R P da China?”

O sr Ministro em questão, não é um sonso mas, de quando em quando, arma-se num. Será que, alguma vez, ele esperou que a RPC cumprisse os acordos constantes do tratado de “devolução” de Macau à Mãe Pátria?  Macau não é senão uma areia no imenso deserto de liberdades da china, muito úril para angariar fortunas monstruosas graças à jogatina desenfreada que vigora no antigo território da árvore das patacas onde, aliás, já havia uns casinos que arruinavam 99%dos jogadores e elimantavam as tríades do costume. Com o novo regime aumentaram os casinos, continuou a bandidagem e vai-se paulatina mas seguramente eliminando  as famosas liberdades garantidas e juradas pelos novos patrões desta Las Vegas asiática.  

Isto estava à vista desde o primeiro dia em que em Hong Kong uma elite muitíssimo mais numerosa, educada e democrática começou a levar no toutiço. A China, a RPC, entenda-se, não suporta o mínimo anseio da mais vaga liberdade dita democrática.

O seu PC pode ter uns milhares de militantes milionários e tem-os desde que eles façam dinheiro, negoceiem com o Ocidente e não levantem a grimpa nesse estúpido capítulo das liberdades “burguesas”. Tais liberdades, justamente porque são “burguesas” são contrarrevolucionárias e anti-populares.

“Enriqueçam mas obedeçam eis o slogan do socialismo chinês. O resto, a governação, a circulação de ideias, a discussão política e macro-económica, é com as mais altas (e só essas, notem bem!) instâncias do PCC. Que, de resto, reúnem ocasionalmente, por poucos dias e muito aparato. O resto, isto é, tudo, é com umas dúzias de cavalheiros e sobretudo com o senhor Xi Jiping. O resto é paisagem.

A vinheta: o sr Xi aperta “o bacalhau” ao sr. Rebelo de Sousa que se ri orgulhoso desta espécie de camaradagem entre o elefante e a formiga. Xi, sorrindo com meia cara lá dirá entre dentes “ri melhor quem ri por último”