Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

16
Jun18

O leitor (im)penitente 209

mcr

Unknown.jpeg

Uma obra mítica

mcr 15.Jun.2018

 

Reedita-se, graças ao jornal “Público” o livro de Victor Palla e Costa Martins  “”Lisboa “cidade triste e alegre””. Trata-se de uma obra há muito desaparecida da circulação e que atingia preços elevadíssimos nos raríssimos leilões de alfarrabistas em que algum exemplar era licitado. Pessoalmente, nunca a tinha visto, mesmo se acompanhara uma que outra almoeda em que constava.

Trata-se de uma obra compósita recheada de excelentes fotografias (a preto e branco) comentadas por grandes autores contemporâneos da 1ª edição (Alexandre O Neil, Armindo Rodrigues, David Mourão-Ferreira, Eugénio de Andrade, Jorge de Sena, José Gomes Ferreira precedida por um belíssimo texto de Rodrigues Miguéis) e é mais uma mostra do invulgar talento de Victor Palla e de Costa Martins.

Sairá em fascículos  semanais (sábado) até fins de Julho e apresenta-se como um fac-simile da 1ª (e única até hoje) edição. Celebremos a ideia, a oportunidade, a possibilidade de muita gente se poder deliciar mas levante-se desde já uma objecção pouco meiga:

A “maioria dos herdeiros” (sic) exigiu contratualmente uma redução de 15% lineares nas dimensões da edição original, conforme consta do que, eventualmente será a última folha da obra.

Portanto, quanto a fac-simile, estamos conversados. Mas, independentemente disso, esta exigência da referida e famigerada “maioria dos herdeiros” (que em nada contribuíram para a edição orginal e se limitam a perceber os direitos desta), fere gravemente a edição. Alguém acredita que Victor Palla (logo ele!) e provavelmente Costa Martins não tiveram o cuidado de fixar com rigor as dimensões daquele livro-objecto?

Terá a esforçada “maioria dos herdeiros” sequer uma vaga consciência do que significa esta amputação da obra dos dois autores?

Será que essas mal inspiradas criaturas temeram que esta edição pudesse concorrer com a desaparecida e valiosa anterior que, de resta está toda na mão de colecionadores e leitores?

Ou presumirão estes surpreendentes herdeiros (“maioria”) que com esta alteração melhoraram a obra dos autores?

Deixemos este pequeno atentado na consciência (se a têm) da tal “maioria” de herdeiros. De certo modo, esta posição ridícula, estúpida e presunçosa, demonstra claramente que o talento, a criatividade e a inteligência não se herdam.

E compremos, mesmo assim, este belo livro. Será, de todo o modo, uma homenagem aos seus autores que não são culpados de terem os herdeiros que lhes caíram na rifa.