Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

08
Nov19

o leitor (im)penitente 214

d'oliveira

Unknown.jpeg

Raduan Nassar

 

mcr 8.11.19

 

Correndo o risco de me repetir, pois já, aqui, escrevi duas ou três vezes, sobre Raduan Nassar, volto a insistir.

E faço-o porque para minha grande e grata (oh quão grata!) surpresa, o Público de hoje, no seu suplemento “ípsilon” (pp 18 a 24, inc.) dedica sete (/!!!) página sao autor de três pequenas mas extraordinárias obras primas da literatura escrita em português. Sáo elas “Lavoura Arcaica”, “Um copo de cólera” e “Menina a caminho, todas escritas e publicadas no século passado.

Foram alvo de edição portuguesa mas, se bem recordo, passaram despercebidas a leitores e a “críticos”. Andaram perdidas por feiras de ocasião a preços vis e eu aproveitei para comprar alguns exemplares para oferecer a um par de amigos.

Depois, RN ganhou o “Camões” e isso trouxe-lhe alguma visibilidade por cá. Moderada visibilidade mas que terá servido para o reeditar ou escoar os exemplares já publicados.

Agora, esta sumptuosa recensão do punho de Isabel Lucas (num suplemento onde o literário costuma andar por duas páginas esconsas) talvez desperte mais atenções, curiosidade e leitura. Felizes serão (e bem aventurados) os que se resolverem desbravar esta obra mínima de um autor que “abandonou” a literatura pela criação de coelhos e que nunca se promoveu, bem pelo contrário.

Curiosamente, ou talvez não (decididamente: não!) Chico Buarque, ao ter notícia do seu justíssimo “Camões” (2019) logo referiu com grande nobreza e dignidade aquele seu antecessor no prémio. Nassar, sempre reservado e tímido, não escondeu a satisfação tanto mais que acha Chico Buarque, sic, “um génio”. Por mim, que admiro ambos e que tenho por CB uma forte admiração desde “Morte e Vida Severina” texto de João Cabral de Melo Neto, um dos nomes maiores da poesia brasileira, portuguesa e universal, este texto jornalístico merece destaque. Por várias razões: está bem escrito, fornece pistas bem interessantes sobre o autor e pode servir de convite à leitura dele.

Leitoras e leitores, ao trabalho, melhor dizendo (e citando obliquamente Paul Lafargue) ao prazer!

3 comentários

Comentar post