Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Incursões

Instância de Retemperação.

Incursões

Instância de Retemperação.

Os impostos que Trump não paga

José Carlos Pereira, 28.09.20

"The New York Times" faz serviço público. A revelação das declarações fiscais de Donald Trump, que este sempre escondeu, pode ser a machadada que faltava para obstar à sua reeleição. Oxalá Joe Biden saiba tirar partido desta bomba na sua campanha, começando já pelo debate televisivo de amanhã.

Benfica, Vieira & Poder, Lda.

José Carlos Pereira, 15.09.20

O artigo de opinião "O que é o Benfica? Dinheiro sem mística", da autoria de um benfiquista que pensa para além da espuma dos dias, é para ler e reflectir. A estratégia do presidente do SL Benfica, Luís Filipe Vieira, sempre assentou em capturar o poder para a sua trincheira. Quem não perceber isso...

Nos 60 anos de J. M. Coutinho Ribeiro

José Carlos Pereira, 31.07.20

P1311534.jpg

O meu amigo Joaquim Manuel Coutinho Ribeiro, responsável pela minha entrada no Incursões e editor deste blogue durante vários anos, completaria hoje 60 anos. Para evocar a data e também o seu percurso, escrevi um texto no jornal "A Verdade", de que foi fundador e primeiro director, publicado hoje na sua edição online e ontem na versão em papel do jornal:

"No dia 31 de Julho, o advogado, jornalista e político marcoense Joaquim Manuel Coutinho Ribeiro, primeiro director deste jornal, completaria 60 anos de idade. Falecido precocemente em 2014, deixou nos seus familiares e amigos, bem como em todos os que o conheceram de perto, uma marca indelével. Irreverente e inconformado, Coutinho Ribeiro foi sempre um espírito livre, muito exigente consigo próprio e incapaz de ceder nos princípios e valores que norteavam a sua vida e a sua relação com os outros.

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, exerceu advocacia durante mais de 25 anos. Enquanto jurista, dedicou particular atenção à lei de imprensa e ao estatuto do jornalista, tendo publicado duas obras de referência: “A nova lei de imprensa face ao novo código penal”, em 1995, e “Lei de imprensa (anotada) e legislação conexa”, em 2001.

Nesta vertente, colaborou com vários cursos de ensino superior nas áreas do jornalismo e do direito da comunicação. No início da carreira profissional, foi professor do ensino secundário.

A paixão pelos jornais e pela comunicação social fez-se sentir desde a juventude, o que levou Coutinho Ribeiro a interromper algumas vezes o curso normal dos seus estudos universitários. Distinguiu-se como jornalista sobretudo nos extintos jornais “O Comércio do Porto” e “Semanário”. No diário portuense conduziu a investigação sobre o denominado caso “Sãobentogate”, relacionado com a corrupção na Polícia Judiciária, que abalou os meios políticos e judiciais na segunda metade da década de 80 do século passado. A cobertura jornalística da visita de João Paulo II a Portugal foi outra experiência que o marcou sobremaneira.

Coutinho Ribeiro manteve ao longo dos anos colaborações regulares com a RTP, Porto Canal, NTV, TSF, Rádio Nova e vários outros órgãos de informação de âmbito nacional e regional. Em Marco de Canaveses, foi também o primeiro director do jornal “Voz Marcoense”. Nos últimos anos de vida, alargou a sua intervenção a alguns dos mais respeitados blogues de expressão local e nacional, com uma escrita mordaz e interventiva.

A política foi outro eixo que se destacou na vida pública de Coutinho Ribeiro. Tendo vivido ainda muito jovem o período revolucionário pós-25 de Abril, integrou as fileiras do CDS entre finais dos anos 70 e inícios dos anos 90. Foi dirigente nacional da Juventude Centrista e candidato por esta organização à presidência da Associação Académica de Coimbra. Foi vice-presidente da Comissão Política Distrital do Porto e candidato ao Parlamento Europeu, em 1989, numa lista encabeçada por Francisco Lucas Pires, uma personalidade que admirava e em quem se revia em termos políticos.

Como autarca, Coutinho Ribeiro foi presidente da Assembleia de Freguesia de Soalhães (1982-84) e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Marco de Canaveses (1984-85), ficando intimamente ligado à criação do Museu Municipal Carmen Miranda. Neste período, acreditou convictamente que a liderança e o espírito empreendedor de Avelino Ferreira Torres provocariam as mudanças necessárias para agitar consciências e colocar Marco de Canaveses no trilho do desenvolvimento, ultrapassando as amarras de algumas elites locais mais conservadoras. Não demoraria muito tempo a perceber que o caminho seguido se afastava do que projectara, sofrendo mais tarde na própria pele as arremetidas do poder que ajudara a criar.

Coutinho Ribeiro acabaria por aderir ao PSD na segunda metade da década de 90. Integrou como assessor o gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares no XII Governo Constitucional e em 2001 candidatou-se à presidência da Câmara Municipal de Marco de Canaveses, assumindo em seguida o cargo de vereador sem pelouros. Em 2009, foi o mandatário da candidatura do PSD à autarquia marcoense.

Os amigos que o recordam dos anos da juventude lembrar-se-ão ainda do ciclista promissor, que manteve sempre um particular entusiasmo por esta modalidade. Foi presidente do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Ciclismo e tinha sido o primeiro presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais. Foi também vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação de Basquetebol do Porto.

Joaquim Manuel Coutinho Ribeiro teve uma vida curta, mas plena. Os familiares, em particular os seus dois filhos, e os muitos amigos que fez tiveram sempre a seu lado alguém muito dedicado, atento e preocupado com o bem-estar dos que o rodeavam. Tinha ainda muito para dar aos seus e à sua terra natal, com a espontaneidade, a irreverência e a entrega que o caracterizavam. A sua presença faz falta. Faz-me muita falta."

Do confinamento ao Dia da Liberdade

José Carlos Pereira, 23.04.20

93886955_3720523781322467_6112123394356936704_n.jp

Na edição de hoje do jornal "A Verdade", cuja plataforma online cobre toda a região do Tâmega e Sousa, publico um texto de opinião sobre a etapa final do estado de emergência e a comemoração do 25 de Abril na Assembleia da República:

"Estamos a pouco mais de uma semana do final do estado de emergência. Completar-se-á então um período de cerca de seis semanas em que uma grande parte do país viveu confinada nas suas residências, afastada dos locais de trabalho, de família e amigos, com regras restritivas da sua mobilidade.

Neste momento, tudo indica que o estado de emergência não será renovado. A evolução do número de infectados pela Covid-19 e a necessidade premente de retomar a actividade económica assim o aconselham. Com efeito, os dados mais recentes da propagação da pandemia levam a acreditar que ultrapassámos já o pico da fase de contágio. O número de doentes infectados e hospitalizados tem sofrido um crescimento diário contido, sem com isso se poder menosprezar a tragédia que cada vítima representa.

Todos, cientistas, investigadores, médicos e outros responsáveis na área da saúde pública, continuam a descobrir elementos novos sobre as características da Covid-19. Contudo, é já um dado adquirido que o confinamento a que nos votamos em Portugal foi determinante para que a evolução da pandemia não tenha ficado fora de controlo como sucedeu em outros países. Estou convicto que a preocupação em que o Serviço Nacional de Saúde não colapsasse, em que não assistíssemos por cá às imagens que vimos das unidades de cuidados intensivos sobrelotadas em Espanha e Itália, guiou as decisões dos nossos responsáveis políticos e também influenciou a adesão dos portugueses ao confinamento.

Permitam-me aqui uma visão mais local do combate à Covid-19 para enaltecer a forma pronta como a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa e as autarquias da região se mobilizaram para reforçar os meios de prevenção e diagnóstico da infecção e também os equipamentos colocados à disposição do hospital de referência e de outras unidades de saúde e da protecção civil. Na região onde surgiram alguns dos primeiros casos da infecção em Portugal, com muitas indústrias expostas ao exterior que nunca pararam de laborar e milhares de emigrantes a regressarem às suas residências, essa resposta dos autarcas tem sido fundamental para assegurar uma resposta eficaz às necessidades existentes.

A não renovação do estado de emergência na próxima semana ocorrerá também, como referi, pela necessidade que o país tem de ir retomando a sua actividade económica. É imperativo que tal aconteça. Se é verdade que muitas empresas industriais continuaram a sua actividade, embora com limitações no seu processo produtivo, já a larga maioria das micro, pequenas e médias empresas teve de encerrar portas por causa da pandemia, deixando em lay-off ou no desemprego mais de um milhão de portugueses, com a subsequente perda de rendimentos.

Parar o país durante um mês e meio é algo que nunca tinha acontecido e o custo que o Estado terá de suportar para apoiar empresas e trabalhadores será brutal, repercutindo-se certamente esse efeito nos próximos orçamentos do Estado. Teremos, por isso, de criar condições para um regresso paulatino da actividade nos diferentes sectores, com todas as cautelas, de modo a fazer regressar à vida milhares de empresas e a respectiva mão-de-obra.

Antes do fim do estado de emergência viver-se-á o Dia da Liberdade. Será, sem dúvida, um 25 de Abril diferente. Pelas limitações que todos sentimos e pela liberdade que não poderemos ter nesse dia. Mas será também uma data que, mais do que nunca, merece ser assinalada, para evocar a liberdade, a democracia e uma das suas maiores conquistas, o Serviço Nacional de Saúde, hoje no centro de toda a atenção e muito acarinhado pelos portugueses.

A discussão sobre se a Assembleia da República, que nunca deixou de estar em funcionamento neste período, deve ou não comemorar de forma solene o 25 de Abril faz pouco sentido. Estranho seria que a data não fosse assinalada. Uma sessão do Parlamento com um número restrito de presenças, certamente rodeada de todos os cuidados necessários, não tem qualquer comparação com manifestações, religiosas ou outras, que ficaram impedidas durante o estado de emergência e que foram invocadas nos últimos dias pelos que se opõem à comemoração do 25 de Abril.

O quotidiano da vida democrática tem os seus rituais e entre eles não pode deixar de estar a comemoração do “dia inicial, inteiro e limpo”, como escreveu Sophia. Até para nos lembrar que há um antes, um durante e um depois da pandemia que enfrentamos."

Um país mobilizado

José Carlos Pereira, 04.04.20

Na edição online do jornal "A Verdade", publico hoje um artigo de opinião sobre o modo como está a ser enfrentada a luta contra a Covid-19:

"A renovação do estado de emergência não surpreendeu ninguém na fase em que nos encontramos da luta contra a Covid-19. Presidente da República, Assembleia da República e Governo permanecem alinhados num amplo consenso quanto aos instrumentos necessários para travar a propagação do vírus e os efeitos da doença que se abate sobre muitos milhares de portugueses.

O Governo tem agora caminho aberto para aumentar as restrições à circulação injustificada, reforçando inclusivamente as penas contra as violações que venham a ocorrer, para reforçar os apoios necessários aos hospitais e demais equipamentos de saúde, incluindo-se aqui os lares onde residem milhares dos nossos cidadãos mais velhos, bem como para intervir nas relações de trabalho, seja redobrando a fiscalização de despedimentos, seja limitando alguns direitos dos trabalhadores, que poderiam ser um obstáculo sério em alguns sectores.

A maioria dos portugueses tem feito, em várias sondagens, uma apreciação bastante positiva da actuação dos titulares dos órgãos de soberania, particularmente do primeiro-ministro e do Presidente da República, no modo como têm enfrentado uma crise que é sanitária, mas também económica e social. E eu subscrevo essa opinião maioritária.

Nenhum país, nenhum governo poderia estar preparado para um embate desta dimensão. O nosso excelente Serviço Nacional de Saúde (SNS), dotado de profissionais tantas vezes exemplares, não podia estar preparado para receber um número tão elevado de doentes, muitos deles necessitados de cuidados extremos. O país, com uma mobilização extraordinária de todos, públicos e privados, procura agora disponibilizar aos profissionais os meios suficientes para que possamos lutar, com a confiança possível, contra a Covid-19. Isto num momento em que a concorrência entre países é enorme e a dependência face a fornecedores, muitos deles sem escrúpulos, é total.

Também a nível económico e social, o Governo tem implementado as medidas possíveis com os meios à disposição. Numa altura em que ainda se discute de que modo a União Europeia poderá apoiar os estados membros, sem consenso à vista, o Governo português tira partido das boas execuções orçamentais dos últimos anos para poder apoiar empresas e trabalhadores, muitos deles a verem repentinamente terminar os seus vínculos laborais.

As medidas de apoio directo ou as linhas de financiamento garantidas pelo Estado são instrumentos colocados à disposição de empresas e trabalhadores, de modo a conter os efeitos nefastos da crise. Essas medidas podem certamente melhorar e corrigir assimetrias que ainda se fazem sentir, contando para isso com a flexibilidade de que o Governo já foi dando provas, mas é evidente que não é possível dar tudo a todos. Além do mais, convém não esquecer que tudo aquilo que hoje for dado terá de ser pago amanhã.

Não é admissível, como alguns vieram defender, que o Estado se substitua às empresas e pague por inteiro os ordenados dos privados – seriam 1,6 mil milhões de euros por cada mês! Como também não é de todo razoável reivindicar apoios para empresas de duvidosa viabilidade, que já foram somando no seu percurso dívidas ao fisco e incumprimentos bancários.

Ao Governo exige-se que esteja atento e totalmente disponível para ir acertando as medidas à medida que o tempo passe e que os efeitos da crise se avolumem. Os serviços públicos devem estar focados na agilização dos procedimentos necessários para que o dinheiro chegue rapidamente às empresas. Os dinheiros dos fundos europeus devem ser disponibilizados com celeridade. As dívidas às empresas devem ser saldadas de pronto, injectando dessa forma liquidez na economia. Em Bruxelas, António Costa terá de continuar a lutar por uma solução financeira à escala europeia.

Como nos têm dito, Abril será um mês essencial na luta contra o coronavírus. É fundamental que cada um de nós faça a sua parte para que a propagação da doença fique contida em patamares que permitam uma resposta eficaz do SNS. Claro que haverá muitas mais vítimas e os nossos familiares e amigos sofrerão com isso, mas temos de nos unir e de mostrar que somos capazes de vencer o vírus. Logo a seguir, cá estaremos para reerguer o país e ajudar a ultrapassar a recessão económica e a crise social que já atingem Portugal, a Europa e o mundo em geral."

Emergência - Mensagens falsas vesus ajuda solidária

JSC, 19.03.20

O Estado passou a estado de emergência. Aceito que não teriam tomado tal medida se não a vissem como oportuna e adequada ao desenvolvimento da doença. No fundo, acredito que quem nos governa está a trabalhar e a fazer o melhor que pode e sabe para minimizar os efeitos nefastos do COVID 19. O mesmo se aplica aos profissionais do SNS.

O que importa é que agora temos de nos ajustar e tentar sobreviver a esta emergência colectiva. Em boa verdade, o que nos pedem nem é muito: ficar em casa, lavar e lavar as mãos, manter a distância social. Na prática os dias correrão como sempre, só que agora carregados pelo COVID 19. Parece que por aqui vai chover nos próximos dias. Nem isso fará muita diferença. Em casa não chove.

Depois, lá para o início da semana há que ir ao supermercado. Ao menos não faltam bens essenciais, o que garante uma grande tranquilidade.Pelo meio temos de lidar com os sacanas que produzem mensagens, vídeos, noticias falsas a insultar quem está a trabalhar, a fazer o que pode no combate ao vírus.

Tenho dificuldade em perceber porque há tanta gente a partilhar esse esterco. As autoridades deveriam ter poderes para identificar e criminalizar as bestas que produzem conteúdos falsos ou insultuosos.

Afinal há muita coisa boa a acontecer que bem merecia ser partilhada, ter maior divulgação. Muitos são os exemplos de solidariedade, de ajuda desinteressada seja aos vizinhos, seja à comunidade em geral. As antenas bem se poderiam abrir para revelar esses exemplos.

Os "sábios" do COVID 19 e de todas as calamidades públicas

JSC, 18.03.20

Tal como a maioria dos portugueses também vou ficando em casa à espera que a coisa passe. Como se tem muito tempo livre vai-se ouvindo e lendo notícias que se repetem até à exaustão. Do ponto de vista noticioso o COVID 19 é um tremendo cansaço. Um cansaço enviesado pela direita que enche as redações, escolhe comentadores, faz as perguntas e corta as respostas.

De um modo geral, eu que nunca votei PS, penso que o Governo tem agido com a firmeza e a serenidade que a gravidade da situação exige.

Claro que hoje todos queremos mais e mais do Governo. Até há aqueles que acusam o Governo de não ter “tomates” para tomar as medidas que eles próprios poderiam e deveriam tomar, mas que não tomam, eles sim, por falta de tomates.

Verdade, é que à medida de se incrementa a propagação do vírus cresce a verborreia de uns tantos jornalistas/leitores do que a redacção lhes mostra no teleponto e de jornalistas/cronistas de direita ou aparentados na esperança colectiva de que no fim do pesadelo o Governo, em particular o Primeiro-ministro, esteja em estado K.O., abrindo assim a autoestrada de acesso ao poder da direita dita liberal.

Confesso que até andava empolgado, surpreendido mesmo, com as últimas intervenções de Rodrigo Guedes de Carvalho, na SIC. Ontem, na entrevista a António Costa, percebeu-se que o objectivo não era que o Primeiro-ministro esclarecesse o povão, o obectivo, claro e nítido, era levar o Primeiro-ministro às cordas, sempre que o PM procurava esclarecer, o jornalista interrompia para desencadear novo assalto. Uma lástima.

Rodrigo Guedes de Carvalho integra um vasto conjunto de “sábios” que sabe tudo sobre o combate ao COVID 19. Por exemplo, as últimas crónicas do especialista em “provas de algodão”, João Miguel Tavares, no Público, particularmente aquela em que lança as garras sobre o Presidente da República, são bastantes reveladoras do que move o JoãoMT. O esplendor da direita. Muitos outros seguem o mesmo percurso, por um lado, apontam o que deve ser feito, porque eles é que sabem o que deve ser feito, como deve ser feito e quando deve ser feito. Por outro lado, criticam o que se faz, porque a medida X ou Y tardou ou porque os meios, sempre os meios, são insuficientes ou ainda porque sim.

O que estes “sábios” produzem são opiniões convergentes mesmo que pareçam dispersas e dissonantes. Todos remam no mesmo sentido. Orientações superiores devem guiar os seus pensamentos. O que escrevem ou dizem converge na crítica aos governantes, incluindo a DGS. Os “sábios” sabem tudo. Os governantes só fazem asneiras, só dizem asneiras. A ligeireza com que apontam os erros mostra o que aconteceria a todos nós, caso essa gente tivesse responsabilidades políticas, tivessem de tomar decisões em tempos de calamidade pública.